Imprensa livre e independente
14 de junho de 2018, 10h07

Dia histórico na Argentina: Deputados aprovam legalização do aborto

Em um placar apertado o direito das mulheres decidirem venceu: foram 129 votos favoráveis e 125 contrários

Foto: Letícia Viola
Em uma sessão hitórica, a Câmara de Deputados da Argentina aprovou nesta quinta-feira (14) a lei que descriminaliza o aborto até a 14ª semana de gestação. O placar foi de 129 votos a favor e 125 contrários. A votação foi comemorada por mulheres nas províncias do país vizinho que fizeram vigílias na expectativa pelo resultado sob uma temperatura de apenas 4 graus. O texto será encaminhado ao Senado. Em caso de nova vitória será sancionado pelo presidente Maurício Macri, que se manifestou afirmando que respeitará a decisão das duas casas. As discussões na Câmara dos Deputados se arrastaram por 22...

Em uma sessão hitórica, a Câmara de Deputados da Argentina aprovou nesta quinta-feira (14) a lei que descriminaliza o aborto até a 14ª semana de gestação. O placar foi de 129 votos a favor e 125 contrários. A votação foi comemorada por mulheres nas províncias do país vizinho que fizeram vigílias na expectativa pelo resultado sob uma temperatura de apenas 4 graus. O texto será encaminhado ao Senado. Em caso de nova vitória será sancionado pelo presidente Maurício Macri, que se manifestou afirmando que respeitará a decisão das duas casas.

As discussões na Câmara dos Deputados se arrastaram por 22 horas, desde a manhã de quarta. As 9h41 a vitória do sim foi anunciada e os gritos de “Aborto legal no hospital” ecoaram no plenário.

O projeto estava na casa legislativa argentina desde 1983, mas não encontrava número de parlamentares suficientes para levar o tema ao plenário. Este ano, sob forte crise econômica, os deputados decidiram finalmente pelo debate que dividiu a sociedade. A ponto de um cordão de isolamento ter sido montado para dividir favoráveis e contrário ao direito da mulher interromper a gravidez.

Veja também:  #Vaza Jato: Eles querem tomar o país e até mesmo o bolsonarismo

A colunista da Fórum, Ana Prestes, contou, nesta quarta-feira, como estavam os ânimos de argentinas e argentinos. A campanha pró-direito ao aborto levava a cor verde, que foi decidida em um encontro de mulheres há mais de 10 anos, em 2003, quando elas chegaram à conclusão de que o verde não era apropriado por nenhum partido político e que tinha muita força. Ocupações de escolas fazem parte das mobilizações de estudantes feministas. São várias escolas e universidades “tomadas” pelas estudantes. Mais de 30 mil assinaram um manifesto pró-direito ao aborto. A ministra da educação, Soledad Acuña, se pronunciou irritada sobre as estudantes: “eso del aborto no es cosa de ellas”.

Momentos antes da votação que deu vitória do direito ao aborto, a deputada Silvia Lospennato fez um discurso emocionado. “Este é o século do direito das mulheres. Cedo ou tarde as jovens que seguram os lenços verdes vão conquistar o que pdem. Tiremos o aborto da clandestinidade. Unidas em nossas diferenças, que o aborto seja lei”.

Veja também:  Colunista da Folha, Clóvis Rossi morre aos 76 anos

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum