Imprensa livre e independente
21 de agosto de 2018, 14h31

Diap: 75% dos deputados federais devem se reeleger em 2018

O número de candidatos à reeleição (407) na Câmara é quase idêntico à média dos últimos sete pleitos (408), mas 5% maior que na eleição de 2014 - na ocasião, 387 parlamentares tentaram renovar seus mandatos

Foto: Gustavo Bezerra/PT na Câmara
Estudo do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) mostra que 79% dos 513 deputados federais tentarão a reeleição em outubro. Projeção da entidade aponta que 75% dos parlamentares devem se reeleger. O levantamento foi feito com base no registro das candidaturas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Segundo o Diap, o número de candidatos à reeleição (407) na Câmara é quase idêntico à média dos últimos sete pleitos (408), mas 5% maior que na eleição de 2014 – na ocasião, 387 deputados tentaram renovar seus mandatos. Dos 106 que não vão se tentar a reeleição para a Câmara, 31 não vão...

Estudo do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) mostra que 79% dos 513 deputados federais tentarão a reeleição em outubro. Projeção da entidade aponta que 75% dos parlamentares devem se reeleger. O levantamento foi feito com base no registro das candidaturas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Segundo o Diap, o número de candidatos à reeleição (407) na Câmara é quase idêntico à média dos últimos sete pleitos (408), mas 5% maior que na eleição de 2014 – na ocasião, 387 deputados tentaram renovar seus mandatos.

Dos 106 que não vão se tentar a reeleição para a Câmara, 31 não vão concorrer a nenhum cargo neste pleito e 75 disputam outros cargos. Destes, 40 concorrem ao Senado; 11 são candidatos a vice-governador; nove disputam o governo do estado; sete tentam vaga de deputado estadual; seis são suplentes de candidatos ao Senado; e dois são candidatos à Presidência da República.

Para o analista político Neuriberg Dias, um dos autores do levantamento, a expectativa da população por renovação na Casa será “frustrada”neste pleito. Segundo Dias, o alto índice de reeleição, mais a continuidade das bancadas rural, empresarial, evangélica e da bala traz o risco de que a próxima Câmara seja mais conservadora que a atual. “O perfil do Congresso Nacional será mantido. Podemos até ter até retrocesso”, disse o analista.

Além de emendas parlamentares, os que estão se recandidatando têm outras vantagens em relação a um novo candidato: nome conhecido, bases eleitorais consolidadas, cabos eleitorais fiéis, acesso mais fácil aos veículos de comunicação, estrutura de campanha, com gabinete e pessoal à disposição, em Brasília e no estado. O período eleitoral curto também joga contra a expectativa de renovação.

“As mudanças na legislação eleitoral com a criação do fundo eleitoral e a janela partidária (período no qual foi permitida a troca de partido sem perda de mandato) permitiram aos parlamentares negociarem melhores condições na disputa da reeleição, como prioridade no horário eleitoral e na destinação dos recursos do fundo eleitoral”, avalia o Diap.

Veja também:  Reviravolta na eleição da Argentina: líder nas pesquisas Cristina Kirchner anuncia que será candidata a vice

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum