AO VIVO
01 de junho de 2013, 12h11

Dilma perdoa dívida de países africanos

Medida facilitará a busca por crédito e fortalecerá o crescimento das nações Por Marcos Piva Semana passada, na Etiópia, a presidenta Dilma Roussef perdoou ou facilitou o pagamento de US$ 897,7 milhões de dívidas de doze países africanos com o Brasil. É a mesma situação daquele cartão de crédito ou financiamento das Casas Bahia que […]

Medida facilitará a busca por crédito e fortalecerá o crescimento das nações

Por Marcos Piva

Países do Bric são os maiores parceiros comerciais dos africanos (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom /ABr)

Semana passada, na Etiópia, a presidenta Dilma Roussef perdoou ou facilitou o pagamento de US$ 897,7 milhões de dívidas de doze países africanos com o Brasil. É a mesma situação daquele cartão de crédito ou financiamento das Casas Bahia que você fez e não conseguiu pagar. Seu nome foi para o Serasa e ficou “sujo”.

Sem essa medida, a dúzia de nações africanas não conseguiria obter novos empréstimos e as empresas estariam impedidas de investir. Em uma frase: a decisão beneficia os países africanos, mas ajuda, sobretudo, as empresas brasileiras interessadas em investir com segurança naquele continente.

Para se ter uma ideia, seis países africanos estão na lista dos dez com maior crescimento econômico registrado nos últimos anos no mundo. As nações dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são agora os principais parceiros comerciais da África e formam o novo grupo de maiores investidores no continente.

O comércio entre os Brics e a África deve exceder US$ 500 bilhões até 2015, de acordo com o Standard Bank. Talvez a notícia não agrade os “urubólogos” da grande mídia, que devem achar isso um desperdício de dinheiro público, o que não é totalmente verdade porque empresas fizeram o serviço e receberam por isso. Mas é por meio desse tipo de atitude generosa, que estimula economias emergentes a negociar e investir entre si, que se pode construir um novo modelo de desenvolvimento econômico para superar a atual crise mundial.