27 de março de 2018, 21h30

Dilma promete denunciar mundialmente o atentado a tiros contra a caravana de Lula

"Não estamos mais nos anos 50 do século passado, ou na ditadura militar, quando a eliminação física de adversários políticos era uma constante no Brasil e na América Latina. Essa prática não pode ser tolerada", escreveu a ex-presidenta sobre o ataque a tiros sofrido hoje pela caravana de Lula

Foto: Lula Marques

A ex-presidenta Dilma Rousseff divulgou em seu blogue, na noite desta terça-feira (27), uma nota em que comenta o atentado a tiros sofrido pela caravana do ex-presidente Lula no Paraná. Um dos ônibus da comitiva foi alvejado por pelo menos três disparos de arma de fogo durante um trajeto pelo estado em que não foi feita a escolta policial solicitada pelos organizadores da caravana.

No texto, Dilma classificou o ataque como “inaceitável” e prometeu denunciar a tentativa de intimidação em outros países do mundo.

Confira.

O atentado ocorrido no final da tarde desta terça-feira, 27 de março, contra um ex-presidente da República do país é grave e ocorre num momento difícil para o Brasil.

A tentativa de intimidar o presidente Lula e a Caravana Lula pelo Brasil, com tiros e agressões, é inaceitável.

Não estamos mais nos anos 50 do século passado, ou na ditadura militar, quando a eliminação física de adversários políticos era uma constante no Brasil e na América Latina. Essa prática não pode ser tolerada.

Tais ataques não vão intimidar democratas e militantes políticos.

O fascismo é intolerável e será denunciado por todos nós, que acreditamos na justiça social e na política como instrumento de transformação da realidade.

Toda solidariedade a Lula e aos integrantes da Caravana que estão sendo agredidos.

Estaremos denunciando em todos os cantos do Brasil e do mundo essa tentativa torpe de calar a todos os que se opõem ao arbítrio e ao Estado de Exceção no Brasil.

Dilma Rousseff