Imprensa livre e independente
31 de março de 2014, 16h25

Dilma se manifesta no Twitter contra ameaça de estupro a jornalista

Presidenta usou o microblogue para declarar apoio à idealizadora da campanha #NãoMereçoSerEstuprada e disse que o governo e a lei estão do lado dela

Presidenta usou o microblogue para declarar apoio à idealizadora da campanha #NãoMereçoSerEstuprada e disse que o governo e a lei estão do lado dela Por Redação A presidenta Dilma Rousseff (PT) se manifestou hoje (31) em sua conta no Twitter contra as ameaças que a jornalista Nana Queiroz sofreu na internet depois de ter lançado a campanha #NãoMereçoSerEstuprada. Rousseff escreveu que “o governo e a lei estão do lado de @nanaqueiroz e das mulheres ameaçadas ou vítimas de violência”. Em uma sequência de tuítes, Dilma comentou que a “jornalista @nanaqueiroz se indignou com os dados da pesquisa do @ipeaonline sobre...

Presidenta usou o microblogue para declarar apoio à idealizadora da campanha #NãoMereçoSerEstuprada e disse que o governo e a lei estão do lado dela

Por Redação

A presidenta Dilma Rousseff (PT) se manifestou hoje (31) em sua conta no Twitter contra as ameaças que a jornalista Nana Queiroz sofreu na internet depois de ter lançado a campanha #NãoMereçoSerEstuprada. Rousseff escreveu que “o governo e a lei estão do lado de @nanaqueiroz e das mulheres ameaçadas ou vítimas de violência”.

Em uma sequência de tuítes, Dilma comentou que a “jornalista @nanaqueiroz se indignou com os dados da pesquisa do @ipeaonline sobre o machismo” no Brasil. “Por ter se manifestado contra a cultura de violência contra a mulher, a jornalista foi ameaçada de estupro (…) organizadora do protesto #NãoMereçoSerEstuprada, @nanaqueiroz merece toda a minha solidariedade e respeito”, declarou a presidenta.

A presidenta ainda declarou que “nenhuma mulher merece ser vítima de violência, seja física ou sob a forma de ameaça”. A campanha virtual #NãoMereçoSerEstuprada foi criada em resposta à pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que revelou dados mostrando que a metade da população brasileira acredita que as mulheres que usam roupas curtas ou que não têm comportamento “adequado” provocam o estupro.

Veja também:  Polícia Militar reprime manifestação da Greve Geral no Rio de Janeiro

Na última sexta-feira (28), depois que Nana Queiroz postou a foto com o cartaz que chamava para a campanha online, ela recebeu ameaças de internautas. “Amanheci de uma noite conturbada. Acreditei na pesquisa do Ipea e experimentei na pele sua fúria. Homens me escreveram ameaçando me estuprar se me encontrassem na rua, mulheres escreveram desejando que eu fosse estuprada”, disse Nana em sua página na rede social.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum