ASSISTA
25 de Março de 2015, 13h55

Divino Fogão e a saudade da escravidão

O racismo brasileiro é tão escrachado quanto não tem vergonha na cara. A empresa Divino Fogão, rede de restaurantes que também publica uma revista, parece ter a intenção de reivindicar o pódio entre aqueles que sentem mais saudade da escravidão. Na revista da empresa, que pode ser acessada online, é possivel conhecer o “mascote” da […]

O racismo brasileiro é tão escrachado quanto não tem vergonha na cara. A empresa Divino Fogão, rede de restaurantes que também publica uma revista, parece ter a intenção de reivindicar o pódio entre aqueles que sentem mais saudade da escravidão.

O típico racismo brasileiro. Imagem: Reprodução

Na revista da empresa, que pode ser acessada online, é possivel conhecer o “mascote” da marca: uma mulher negra, vestida com roupa de cozinheira e que, segundo a própria explicação da Divino Fogão, deve ter mais de 50 anos de idade. As “mascotes” devem ser simpáticas e acolhedoras, para fazer com que os clientes se sintam saboreando a verdadeira comida da fazenda. Para completar a palhaçada, o nome da mascote é “Sinhá”.

Será que os responsáveis pela rede Divino Fogão têm a ilusão de que ninguém entende o contexto? O nome “Sinhá” faz alusão ao período de escravidão, pois era utilizado para designar as mulheres brancas donas de escravos; ironicamente, esse mesmo termo está sendo atribuído a mulheres negras fardadas como serviçais. A impressão que dá é que a empresa tem o objetivo de levar os clientes de volta ao clima “colonial” da fazenda, completo com a opção de possuírem escravas domésticas que os sirvam com passividade.

No mesmo documento, eles ainda têm a audácia de reclamar da dificuldade para conseguir “profissionais” para o teatro colonial. Talvez se contratassem mulheres negras para posições de chefia, com roupas alinhadas e postura de gerente, quem sabe mais candidatas não apareceriam para preencher a vaga. Mas a ideia que a Divino Fogão tem da mulher negra é de que deve ser uma cozinheira submissa e sorridente, a própria figura da Tia Anastácia, subalterna da família rica branca.

Qualquer que seja a desculpa esfarrapada, a Divino Fogão precisa entender, de uma vez por todas, que esse tipo de racismo cordial não passará em silêncio.

Foto de capa: Reprodução