15 de março de 2019, 08h36

Dois dias após atentado, FHC puxa orelha do Major Olimpio: “Falar em armar professores é um desatino”

Major Olimpio afirmou que “se os professores estivessem armados, se os serventes estivessem armados, essa tragédia teria sido evitada”

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Quase 48 após o massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, de Suzano, que deixou dez mortos, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso resolveu dar um puxão de orelha nas declarações do senador Major Olimpio. “Falar em armar professores é um desatino”, tuitou FHC na noite desta quinta-feira (14). A chacina da escola de Suzano requer solidariedade às vítimas e reflexão: falar em armar professores é um desatino. Armas devem estar nas mãos de policiais e militares que saibam usá-las para proteger cidadãos e retira-las de bandidos que atazanam o povo. — Fernando Henrique Cardoso (@FHC) 15 de março de 2019 “A...

Quase 48 após o massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, de Suzano, que deixou dez mortos, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso resolveu dar um puxão de orelha nas declarações do senador Major Olimpio. “Falar em armar professores é um desatino”, tuitou FHC na noite desta quinta-feira (14).

“A chacina da escola de Suzano requer solidariedade às vítimas e reflexão: falar em armar professores é um desatino. Armas devem estar nas mãos de policiais e militares que saibam usá-las para proteger cidadãos e retira-las de bandidos que atazanam o povo.”

O líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), afirmou em pronunciamento durante reunião da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), na última quarta-feira, que “se os professores estivessem armados, se os serventes estivessem armados, essa tragédia teria sido evitada.”

Para o senador, não permitir acesso a armas para “cidadãos de bem” foi nocivo à sociedade.

A chacina

Dois adolescentes encapuzados entraram na escola estadual Professor Raul Brasil, na manhã desta quarta-feira (13), em Suzano, a 50 km de distância de São Paulo, efetuando disparos contra estudantes e uma funcionária.

Segundo informações, os dois mataram dez pessoas e deixaram outras dez feridas, uma delas em estado grave.