Andrea Caldas

política e educação

20 de maio de 2019, 20h06

É melhor Bolsonaro cair? Apostas, binarismos e incertezas

Andrea Caldas: “Eu não temo adversários de alto nível. Aliás, eu os prefiro. Porque confio na nossa capacidade e competência. O pior de tudo são as trevas da ignorância. Porque com elas não há debate, só aniquilação”

Há muita gente – no campo da oposição – falando que é melhor manter Bolsonaro como presidente, dado que sua cabal incompetência, sua comprovada inabilidade e sua total falta de senso de ridículo estão dificultando a aprovação das reformas regressivas e impopulares.

A Globo, o Estadão, a Folha e Janaína Paschoal já perceberam isto.

Estão rifando o mito.

Eu não sou da turma que gosta da frase simplista e binária de que “se a Globo está contra, eu estou a favor”.

Acho que minha capacidade analítica e de contextos é um pouquinho melhor que o “siga o mestre”, com sinal invertido.

Sim, Bolsonaro (e seus filhinhos) se mostra incompetente para aprovar até ata de condomínio.

Mas, enquanto isto, um pais sangra, recrudesce seus índices de recessão, dá livre curso para as milícias e para a agressão gratuita, reverbera a narrativa da masculinidade tóxica e ressentida.

O “vamos deixar sangrar” foi a recomendação de FHC diante da crise do governo Dilma.

Há quem diga que se isto fosse seguido e, não houvesse impeachment, talvez o PT sequer estivesse no segundo turno.

O que se percebe nestas escolhas de táticas “de guerra” é que o que é melhor para a agremiação sobreleva o que é melhor para o país.

Veja também:  Sistema financeiro já projeta PIB abaixo de 1% no primeiro ano de Bolsonaro

Pouco importa se mais LGBTs vão morrer porque há um presidente homofóbico, dane-se se a universidade vai ser atacada, se as milícias vão dominar o mundo.

O que importa é a próxima eleição.

Eu discordo!

Bolsonaro, sua incompetência, seu preconceito, sua virulência ressentida são tudo de pior para o país.

O Brasil não merece isto. Nem como governo de direita.

Eu estou na militância política há 34 anos. Me orgulho de ter mantido debates e embates de alto nível com opositores, na academia, no Congresso, nos governos.

É isto o que eu quero: um debate em alto nível sobre alternativas de pais. Coisa que Bolsonaro e seus asseclas são incapazes de oferecer.

Eu não temo adversários de alto nível. Aliás, eu os prefiro. Porque confio na nossa capacidade e competência.

O pior de tudo são as trevas da ignorância. Porque com elas não há debate, só aniquilação.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.