26 de novembro de 2018, 20h33

Eduardo Bolsonaro propõe congelamento de bens de cubanos e venezuelanos

Em viagem aos Estados Unidos, depois de reunião no Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca, deputado e filho do presidente eleito diz que combate “a ditaduras” sairá da parceria entre Itamaraty e Sérgio Moro

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Eduardo Bolsonaro, em visita aos Estados Unidos, participou de uma reunião com assessores do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca. Na oportunidade, o deputado afirmou que estuda parcerias com os EUA para pesquisar crimes financeiros das “ditaduras venezuelana e cubana”, de acordo com Henrique Gomes Batista de O Globo. “Existem diversos instrumentos que o Brasil por anos, de maneira proposital, não levou a sério. São instrumentos que estão à mão. O juiz Sérgio Moro sabe melhor do que ninguém sobre lavagem de capitais, combate ao crime organizado, convenção de Palermo. E junto com a...

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Eduardo Bolsonaro, em visita aos Estados Unidos, participou de uma reunião com assessores do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca. Na oportunidade, o deputado afirmou que estuda parcerias com os EUA para pesquisar crimes financeiros das “ditaduras venezuelana e cubana”, de acordo com Henrique Gomes Batista de O Globo.

“Existem diversos instrumentos que o Brasil por anos, de maneira proposital, não levou a sério. São instrumentos que estão à mão. O juiz Sérgio Moro sabe melhor do que ninguém sobre lavagem de capitais, combate ao crime organizado, convenção de Palermo. E junto com a equipe do embaixador Ernesto Araújo, tem muita coisa nessa área. Se você for congelar tudo aquilo que remete e passa pelas ditaduras cubana e venezuelana, pode dar um calote muito grande nesses ditadores”, disse.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

O filho de Jair Bolsonaro afirmou que está estudando parcerias com o governo norte-americano. No Brasil, de acordo com ele, a ação poderá ser coordenada pelo Itamaraty e o novo superministério da Justiça, que será comandado pelo futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro.

“E se não for possível, estamos aqui costurando para que haja um tratado internacional nesse sentido. Tudo o que for possível. Os detalhes são os ministros que vão dar para vocês, mas certamente está na nossa ideia esse tipo de congelamento. Enfim, tudo aquilo que faz o povo passar fome, a gente pretende congelar”, destacou.

A diplomacia brasileira, historicamente, só aplica sanções definidas em organismos multilaterais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) ou Organização dos Estados Americanos (OEA). No entanto, com o perfil de extrema direita do futuro governo, medidas do tipo das que foram propostas pelo filho de Jair Bolsonaro podem ser tomadas.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais