Eles sabem que me prenderam com mentiras, diz Lula sobre tensão da sua soltura | Revista Fórum
13 de julho de 2018, 11h27

Eles sabem que me prenderam com mentiras, diz Lula sobre tensão da sua soltura

“Eles estão nervosos pela consciência culpada deles, das armações que produziram”, disse Lula

(Foto: Ricardo Stuckert)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva postou, na manhã desta sexta-feira (13) comentários na sua conta do Twitter sobre a crise dos habeas corpus de domingo (8). Para Lula, “a tensão deles com a possibilidade de eu ser solto é porque sabem que me prenderam com mentiras. Eles estão nervosos pela consciência culpada deles, das armações que produziram”, tuitou.

Logo mais adiante, Lula disse não sentir ódio, “mas pena pela situação em que essa gente colocou o Brasil para vender nossas riquezas e indignação com o sofrimento que passa o povo brasileiro, com cada vez mais dificuldade de ter um emprego e pagar suas contas”.

Eu não sinto ódio, mas pena pela situação em que essa gente colocou o Brasil para vender nossas riquezas e indignação com o sofrimento que passa o povo brasileiro, com cada vez mais dificuldade de ter um emprego e pagar suas contas.

No terceiro tuíte, Lula ainda acrescentou: “O pavor que os poderosos sentem não é de mim, Lula, mas de terem que ouvir a opinião dos brasileiros em eleições livres. É o povo brasileiro que precisa recuperar sua liberdade democrática!”, encerrou.

Visita de Franklin Martins e Celso Amorim

Lula recebeu, na tarde desta quinta-feira (12), a visita dos ex-ministros Franklin Martins e Celso Amorim, na carceragem da Polícia Federal de Curitiba. “Eles não querem apenas me manter preso, eles querem me calar. Me impedir de falar e impedir que o povo ouça o que eu falo. Mas não vão me calar”, teria dito Lula, de acordo com Franklin Martins. “Não é impedindo o presidente de dar entrevista que vão segurar suas ideias. Lula está seguro de que suas ideias estão no povo”, afirmou o ex-ministro.

Proibido de falar

A defesa de Lula vai apresentar uma série de entrevistas de condenados cumprindo pena em presídios no recurso que levarão aos tribunais para defender a tese de que o ex-presidente pode falar com a imprensa mesmo preso.

A juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena de Lula, negou nesta quarta-feira (11) pedidos de veículos de comunicação, entre eles a Folha e o UOL, para entrevistar o petista em sua cela na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR).