Imprensa livre e independente
29 de julho de 2016, 10h46

Em Auschwits, Papa pede perdão “por tamanha crueldade”

Francisco está na Polônia para celebrar a Jornada Mundial da Juventude e visitou os campos de concentração de Auschwits e Birkenau.

Francisco está na Polônia para celebrar a Jornada Mundial da Juventude e visitou os campos de concentração de Auschwits e Birkenau Por Redação O Papa Francisco se tornou, nesta sexta-feira (29), o terceiro líder da Igreja católica a visitar campos de concentração. Antes dele, passaram os papas João Paulo II e Bento XVI. Em Auschwits, Francisco escreveu no livro de honra às vítimas, em espanhol, “Senhor, tenha piedade do teu Povo. Senhor, perdoa tamanha crueldade”. O motivo da viagem à Polônia é a celebração da Jornada Mundial da Juventude naquele país. Ainda no campo de concentração, o Papa recebeu a...

Francisco está na Polônia para celebrar a Jornada Mundial da Juventude e visitou os campos de concentração de Auschwits e Birkenau

Por Redação

O Papa Francisco se tornou, nesta sexta-feira (29), o terceiro líder da Igreja católica a visitar campos de concentração. Antes dele, passaram os papas João Paulo II e Bento XVI.

Em Auschwits, Francisco escreveu no livro de honra às vítimas, em espanhol, “Senhor, tenha piedade do teu Povo. Senhor, perdoa tamanha crueldade”.

O motivo da viagem à Polônia é a celebração da Jornada Mundial da Juventude naquele país. Ainda no campo de concentração, o Papa recebeu a visita de 12 sobreviventes do Holocausto, que lhe levaram alguns presentes, como uma vela e uma foto para ser autografada. O papa conversou e beijou todas as pessoas do grupo, que incluía uma mulher de 101 anos.

Além disso, o argentino visitou a cela do monge franciscano Maksymilian Kolbe, que foi canonizado por João Paulo II. Em julho de 1941, o diretor do campo de concentração ordenou que dez prisioneiros morressem de fome por terem tentado fugir. O monge, então, se ofereceu para morrer no lugar de um deles. Foi morto com uma injeção letal, mas o homem que ele salvou sobreviveu à Guerra.

Veja também:  Carlos Bolsonaro iniciou processo de fritura que culminou na queda de Santos Cruz

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum