Imprensa livre e independente
22 de janeiro de 2019, 09h31

Em Davos, Moro evita falar sobre Queiroz, mas diz que “as instituições estão funcionando”

Em mesa de debate sobre corrupção, o ministro de Bolsonaro ouviu que "populistas tomam a narrativa da corrupção, mas não tem uma agenda real, só o discurso contra a corrupção", da representante da ONG Transparência Internacional, Delia Ferreira Rubio.

Moro e a representante de Transparência Internacional, Delia Ferreira Rubio (Foto: Divulgação/WEF)
Em Davos, nesta terça-feira (22), onde participou de um debate sobre combate à corrupção, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, criticou a “cultura da corrupção no Brasil”, mas saiu pela tangente ao ser indagado sobre o caso envolvendo o ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), Fabrício Queiroz. “Não me cabe comentar sobre isso, mas as instituições estão funcionando”, disse ele, após ressaltar que o governo Jair Bolsonaro (PSL) tem “compromisso forte contra a corrupção”. “O governo tem discurso forte contra a corrupção e vem adotando práticas sobre algo que não foi feito em 30 anos no Brasil, que é não vender...

Em Davos, nesta terça-feira (22), onde participou de um debate sobre combate à corrupção, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, criticou a “cultura da corrupção no Brasil”, mas saiu pela tangente ao ser indagado sobre o caso envolvendo o ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), Fabrício Queiroz.

“Não me cabe comentar sobre isso, mas as instituições estão funcionando”, disse ele, após ressaltar que o governo Jair Bolsonaro (PSL) tem “compromisso forte contra a corrupção”.

“O governo tem discurso forte contra a corrupção e vem adotando práticas sobre algo que não foi feito em 30 anos no Brasil, que é não vender posições ministeriais na barganha pelo poder. E nomeou pessoas técnicas. O compromisso do governo é forte contra a corrupção”.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Moro debateu por 1 hora a corrupção e o uso da tecnologia com o secretário de política industrial da índia, Ramesh Abhishek; a presidente da Transparência Internacional, Delia Ferreira Rubio, e o chefe do Facebook para ameaças perturbadoras (o departamento encarregado do combate a fake news), David Agranovich.

Veja também:  "Manifestações extrapolaram a pauta da educação", avalia Paulo Pimenta

Populistas
No debate, o professor suíço Mark Pieth, que participa de ações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) contra suborno, disse que sentia um certo desconforto com governos populistas que acenam com a bandeira de combate à corrupção e, uma vez eleitos, não fazem nada contra, decepcionando os eleitores. Ele citou como exemplo Silvio Berlusconi, da Itália.

A representante de Transparência Internacional, Delia Ferreira Rubio, acrescentou que “‘populistas tomam a narrativa da corrupção, mas não tem uma agenda real, só o discurso contra a corrupção”. No debate, Moro observou que a situação com Berlusconi era diferente, porque ele sequer respeitava a separação de poderes e estava envolvido em muitos casos.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum