Imprensa livre e independente
25 de agosto de 2016, 13h02

Em decisão histórica, Farc e governo colombiano concluem acordo de paz e documento vai a plebiscito

Conclusão das negociações pelo acordo de paz entre as Farc e o governo colombiano, que já somavam quatro anos, foi anunciada na noite desta quarta-feira (24).

Conclusão das negociações pelo acordo de paz entre as Farc e o governo colombiano, que já somavam quatro anos, foi anunciada na noite desta quarta-feira (24) Por Redação Após quatro anos de negociações, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo colombiano concluíram o acordo de paz que trará fim ao conflito que já durava mais de cinco décadas. A medida foi anunciada na noite desta quarta-feira (24). O documento deve ser validado após plebiscito realizado no dia 2 de outubro, de acordo com o presidente do país, Juan Manuel Santos. Entre as diretrizes do acordo, consta o fim do...

Conclusão das negociações pelo acordo de paz entre as Farc e o governo colombiano, que já somavam quatro anos, foi anunciada na noite desta quarta-feira (24)

Por Redação

Após quatro anos de negociações, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo colombiano concluíram o acordo de paz que trará fim ao conflito que já durava mais de cinco décadas.

A medida foi anunciada na noite desta quarta-feira (24). O documento deve ser validado após plebiscito realizado no dia 2 de outubro, de acordo com o presidente do país, Juan Manuel Santos.

Entre as diretrizes do acordo, consta o fim do narcotráfico da guerrilha, reparação às vítimas, reforma agrária, justiça transicional, fim do conflito e participação política das Farc, além de anistia para crimes considerados “menores”.

Representantes das Forças Revolucionárias afirmaram que a luta da guerrilha não terminou, mas que agora seguiria pelas vias democráticas no Congresso. Em comemoração, os cidadãos foram às ruas vestidas de branco e com balões para celebrar o acordo.

Como o documento possui pontos polêmicos para a população, o texto precisa ser aprovado pelo plebiscito. É necessário que haja 13% de votos favoráveis, cerca de 4,5 milhões de pessoas.

Veja também:  Alexandre Frota pede para Witzel explodir míssil na Virgínia, onde mora Olavo de Carvalho

As pesquisas indicam que há grande aceitação, entretanto, apontam também que muitos colombianos gostariam que os guerrilheiros fossem responsabilizados e cumprissem pena.

As campanhas pelo ‘sim’ ocorrem em iniciativas do governo, empresas, ONGs, igrejas e sindicatos, bem como em reuniões dos guerrilheiros na selva, onde tem acampamento.

Entre as Farc, dois grupos temem o acordo. Um deles receia entregar as armas e ficar desprotegido, enquanto o outro busca apoio no Exército de Libertação Nacional (ELN), grupo menor de guerrilha e incisivo com forte teor ideológico de atuação.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum