Blog do Maringoni

política

17 de dezembro de 2017, 13h07

Em defesa de Ivana Jinkings e da Boitempo

A diretora e fundadora da Boitempo passou a ser ameaçada com telefonemas agressivos e mensagens covardes. Tudo por ter decidido lançar obras com fundamentos do pensamento de Marx para crianças

Por Gilberto Maringoni

As ameaças fascistas à Ivana Jinkings, editora da Boitempo, são gravíssimas.

Mesmo sabendo-se tratar de esgares de grupelhos isolados socialmente, não convém vacilar. Sua casa editorial tornou-se presença marcante e referência na vida intelectual e política do país nas últimas duas décadas.

Ivana dignificou a edição de livros do pensamento crítico, no mais das vezes realizados anteriormente com rarefeito apuro editorial e gráfico. Sem ter um banco ou algum aporte significativo de capital, essa brava paraense de família comunista herdou o melhor das tradições cabanas de sua terra.

Corre riscos, trabalha como uma moura, vara madrugadas e nos brinda com edições impecáveis. Sua última façanha é tirar Lenin do baú dos malditos e recolocar na praça novas traduções de um dos maiores intelectuais do século passado.

Agora, vagabundos que se esgueiram pelas sombras passaram a ameaçá-la com telefonemas agressivos e zaps covardes. Tudo por ter decidido lançar obras com fundamentos do pensamento de Marx para crianças.

Ivana Jinkings é um patrimônio da cultura brasileira, uma editora da linhagem de Enio Silveira (1925-96), também comunista e editor da Civilização Brasileira.

É urgente denunciar e exigir das autoridades paulistas garantias de segurança a Ivana Jinkings e à Boitempo.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum