19 de novembro de 2018, 18h14

Em desfile, marca de roupas “recicladas” realiza protesto contra racismo, misoginia e homofobia de Bolsonaro

"Esse desfile foi um berro que estava engasgado na nossa garganta. Moda é política, moda é revolução, moda é ativismo, moda é expressão! Ninguém solta a mão de ninguém!", declarou a criadora da marca.

Durante o desfile na quinta-feira (17) na Brasil Eco Fashion Week, evento que é dedicado à moda sustentável, realizado na Unibes em São Paulo, a marca Think Blue realizou um protesto contra as declarações e políticas do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL)

A marca levou para a passarela modelos carregando placas com frases machistas, racistas e xenofóbicas de Bolsonaro, como a frase “se eu ver dois homens se beijando na rua, eu vou bater”.

Após o desfile a criadora da marca publicou um desabafo, que segundo ela “estava engasgado na nossa garganta”. “Eu Mirella, criadora da marca, gostaria de dizer em nome de todas NÓS, que esse desfile foi um BERRO que estava engasgado na nossa garganta, moda é política, moda é revolução, moda é ativismo, moda é EXPRESSÃO! NINGUÉM SOLTA A MÃO DE NINGUÉM!”, escreveu Mirella.

Think Blue é uma marca que resgata calças jeans abandonadas para transformar em novas roupas, com mais valor e menos impacto através da técnica de Upcycle que  é a  reutilização criativa de subprodutos, resíduos, produtos inúteis ou indesejados em novos materiais ou produtos de melhor qualidade ou com maior valor ambiental.