Notas Internacionais

por Ana Prestes

21 de fevereiro de 2019, 11h37

Em discurso, Putin contra-ataca e diz que pode posicionar mísseis para UE e EUA

Ana Prestes, em novo texto, reproduz fala do presidente russo: “Estamos prontos para entrar em negociações sobre o desarmamento, mas não vamos bater em uma porta fechada”

– O Alto Comando do Exército brasileiro, acompanhado da ala militar do governo Bolsonaro, é contra a ideia de forçar passagem para entregar “ajuda” aos venezuelanos, segundo texto de Igor Gielow e Patrícia Campos Mello na FSP. O governo Maduro enviou tanques para Santa Elena, a 15 km da fronteira entre Venezuela e Brasil.

– Na Venezuela, a oposição tenta organizar cerca de 300 caminhões, conduzidos por caminhoneiros membros de “sindicatos anti-Maduro”, para buscar a “ajuda humanitária” enviada pelos EUA e estocada na Colômbia.

– Guaidó “exigiu” ontem (20), via twitter, que a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) permita a entrada da “ajuda humanitária” dos EUA no país. Os militares teriam três dias para acatar a ordem. Conclamou também o povo venezuelano a se mobilizar ir até os quarteis da FANB exigindo a entrega da mercadoria.  A oposição venezuelana estabeleceu o sábado, 23, como o “dia da entrega”.

– Um grupo de sete pessoas invadiu ontem o consulado venezuelano em Guayaquil, no Equador. Segundo o cônsul, Fernando Bello, os invasores tinham armas de fogo e ameaçaram as pessoas que estavam no consulado, entre elas membros do corpo diplomático. O grupo levou todo o dinheiro da renda consular do posto. A Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas garante a inviolabilidade dos postos diplomáticos.

– O ataque ao consulado de Guayaquil ocorreu pouco depois de outro posto diplomático venezuelano ter sido invadido na Costa Rica. Um grupo entrou à força na sede da Embaixada da Venezuela no país, entre eles estava a “embaixadora” nomeada por Guaidó, Maria Alejandrina Faría. Em sua conta no twitter, ela registrou: “Em cumprimento das funções diplomáticas, assignadas pelo presidente J. Guaidó e reconhecidas pelo governo da Costa Rica assumimos o controle da sede administrativa da Embaixada da Venezuela em San José”. Semana passada, o presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado, havia pedido aos diplomatas venezuelanos que representam o governo de Nicolás Maduro para deixarem o país.

– No dia de ontem (20), milhares de pessoas protestaram na Puente Angostura, sobre o rio Orinoco, próxima à fronteira com o Brasil, contra a tentativa de invasão da Venezuela. A ponte seria uma das hipotéticas passagens de “ajuda humanitária” proveniente do Brasil no próximo dia 23.

– Para o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, a Venezuela estaria no epicentro geopolítico do mundo multipolar, tal como há 200 anos. Em sua conta no twitter ele escreveu: “O tempo e o dinheiro que os imperialistas têm gasto com a Venezuela Bolivariana só pode significar uma coisa: como há 200 anos, hoje nós também estamos no epicentro geopolítico do mundo multipolar ao fazer a #manosfueradevenezuela”. A mensagem foi uma resposta a uma postagem no twitter de John Bolton que dizia: “Qualquer ação efetuada pelos militares venezuelanos para atacar ou instigar a violência contra civis pacíficos nas fronteiras da Colômbia e do Brasil não serão esquecidas. Líderes ainda tem tempo para fazer a escolha correta”.

– A vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, anunciou o fechamento da fronteira aérea e marítima com as ilhas de Aruba, Curaçao e Bonaire, que estão servindo de base de apoio para a tentativa de entrega de “ajuda humanitária” estadunidense na Venezuela.

– O assessor militar adjunto da Venezuela na ONU, Pedro José Chirinos Dorana, declarou ontem (20) que não reconhece o governo de Maduro e manifestou seu apoio a Guaidó. Gravou um vídeo que circulou ontem nas redes.

– Em evento ontem (20) em Miami, o almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul, mandou recado para os militares venezuelanos: “(…) vocês serão responsabilizados por suas ações. Façam o correto. Salvem as pessoas de seu país”. Faller estava acompanhado de Luis Navarro Jiménez, comandante geral das Forças Militares da Colômbia, que chegou ontem à sede do Comando Sul em Miami.

– Um início de incêndio foi controlado na última segunda (18) em uma sala de bombas da Estação Ero da PDVSA, na Venezuela. A informação foi dada ontem (20) pelo presidente da PDVSA, que também é ministro para Petróleo, Manuel Quevedo. Segundo ele, tratou-se de uma ação de sabotagem da oposição. A estação Ero tem uma capacidade instalada de 300 mil barris de petróleo/dia extraídos da Faixa Petrolífera do Orinoco, localizada ao norte do Rio Orinoco, na Venezuela.

– O governo venezuelano recebeu ontem (20) 300 toneladas de medicamentos e insumos de atendimento à saúde, fruto de cooperação com a Rússia. As entregas começarão hoje no estado de Anzoátegui e amanhã no estado de Táchira e serão coordenadas por Aristóbulo Istúriz, vice-presidente setorial para o Desenvolvimento Social e Territorial. Aristóbulo disse ainda que nos dias 22, 23 e 24 serão oferecidas 20 mil caixas CLAP (alimentos) ao povo colombiano de Cúcuta. Segundo ele, “a sede do encontro para agredir a Venezuela abriga uma população em que 50% vivem na pobreza, sendo 10% na pobreza extrema, mais de 20 mil crianças trabalham das ruas, a taxa de desemprego supera 20%, os hospitais públicos estão fechados e 25% têm acesso à agua potável”. Pediatras, cirurgiões e odontólogos também estarão disponíveis para o povo colombiano. Foi anunciado ainda que no dia de hoje, 21, serão entregues 11.548 habitações à população venezuelana em Carabobo, Sucre, Guárico, Monagas e Táchira.

– Em seu discurso anual ao conselho de Estado, o presidente russo Vladimir Putin, fez clara ameaça à OTAN e aos EUA. Segundo ele, se Washington colocar seus mísseis na Europa, a Rússia também posicionará e apontará seus mísseis, e não só para a União Europeia (UE), mas também para os EUA. “Estamos prontos para entrar em negociações sobre o desarmamento, mas não vamos bater em uma porta fechada”.

– O democrata norte-americano Bernie Sanders superou a arrecadação de 6 milhões de dólares apenas quatro horas após anunciar sua candidatura para as primárias do Partido Democrata. O montante é quatro vezes maior do que ele arrecadou em 2016. Cerca de 220 mil pessoas contribuíram na vaquinha por Sanders presidente 2020.

– A dança das cadeiras dos parlamentares britânicos continua. Agora foram três conservadores que deixaram o partido de Theresa May e se uniram aos sete parlamentares que deixaram o partido trabalhista. Formaram um bloco independente. Com a saída, a coalizão do governo May ficou com só 8 MPs a mais do que a oposição.

– Na Espanha, o parlamento da Andaluzia recebeu a proposta de parlamentares do partido de ultradireita Vox para que o governo da junta inste o Governo da Espanha a preparar um contingente militar para participar da intervenção na Venezuela. Na justificativa da proposta está: “Esta interención debería aprobarse com toda celeridade si el Presidente Juan Guaidó solicita ayuda para defender al pueblo venezuelano do usurpador Maduro e seus aliados comunistas cubanos”.

– O premiê português Antônio Costa (PS) sobreviveu ontem a um voto de desconfiança proposto pela oposição. A moção apresentada pelo partido conservador PP foi rejeitada por 115 votos a 103. O PS é apoiado no parlamento pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda. Portugal terá eleições gerais em outubro.

– A homofobia é crime em mais de 40 países. A maior parte deles está na Europa e nas Américas. Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Uruguai já têm a homofobia tipificada como crime.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.