20 de fevereiro de 2019, 18h40

Em entrevista, Roger Waters volta a defender Lula: Só foi preso porque ganharia a eleição

“Obviamente, a única razão pela qual Lula está na prisão é porque ele teria vencido a eleição com as duas mãos amarradas nas costas”, disse o músico e ativista

Foto: Reprodução/YouTube
Roger Waters, músico, ativista e ex-vocalista da banda Pink Floyd, voltou a defender o ex-presidente Lula. Em entrevista à revista Brooklyn Vegan, Waters lembrou de sua passagem pelo Brasil em 2018 e definiu a prisão de Lula como política. “Obviamente, a única razão pela qual Lula está na prisão é porque ele teria vencido a eleição com as duas mãos amarradas nas costas. Se ele pudesse concorrer, o que ele não pôde, porque eles o colocaram na prisão sob acusações falsas de corrupção”, declarou o músico. Ele revelou, também, que tentou visitar o ex-presidente na sede da superintendência da Polícia...

Roger Waters, músico, ativista e ex-vocalista da banda Pink Floyd, voltou a defender o ex-presidente Lula. Em entrevista à revista Brooklyn Vegan, Waters lembrou de sua passagem pelo Brasil em 2018 e definiu a prisão de Lula como política.

“Obviamente, a única razão pela qual Lula está na prisão é porque ele teria vencido a eleição com as duas mãos amarradas nas costas. Se ele pudesse concorrer, o que ele não pôde, porque eles o colocaram na prisão sob acusações falsas de corrupção”, declarou o músico.

Ele revelou, também, que tentou visitar o ex-presidente na sede da superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, mas seu pedido foi negado pela Justiça brasileira.

“Eu queria ir visitar Lula quando chegamos ao Sul, onde ele estava na prisão e o juiz local me negou essa oportunidade. Porque era um momento muito sensível, estava chegando a eleição. As pessoas simplesmente dizem: ‘Ah, sim, outro político corrupto’. Não, ele não é. Ele não é um político corrupto; ele está na prisão por acusações forjadas colocadas pelos poderes que estão no Brasil”, ressaltou.

Ameaças

O ativista destacou as ameaças que sofreu durante sua passagem pelo Brasil. Em uma série de shows, o músico denunciou o fascismo de Jair Bolsonaro. Um dia antes da eleição, na apresentação em Curitiba, cidade onde Lula está preso, o músico chegou a receber uma notificação judicial.

“Eles ameaçaram me jogar na prisão no Brasil porque eu estava colocando meu remo na eleição, juntando-me ao movimento #EleNão. Você sabe, o fascista Bolsonaro foi eleito apesar da resistência a ele”, disse.

Com informações de lula.com.br

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.