13 de setembro de 2018, 14h40

Em Genebra, advogados de Lula e juristas denunciam desrespeito à ONU. Vídeo

“A soberania não pode ser usada para violações de direitos humanos”, diz Paulo Sérgio Pinheiro, durante coletiva realizada na Suíça

Foto: Reprodução/Vídeo

Valeska Teixeira Zanin e Cristiano Zanin Martins, advogados do ex-presidente Lula, participaram de uma coletiva, nesta quinta-feira (13), em Genebra, na Suíça, com o objetivo de denunciar internacionalmente o desrespeito do atual governo brasileiros às determinações do Comitê de Direitos Humanos da ONU. O órgão decidiu a impugnação da candidatura de Lula de veria ser suspensa.

Também participaram da coletiva o jurista Paulo Sérgio Pinheiro, ex-ministro da Secretaria dos Direitos Humanos e relator da ONU no caso da Síria; o advogado Darcy Frigo; e os advogados franceses Emely Lefèvre e William Bourdon, todos especialistas em direitos humanos.

Cristiano Zanin relembrou a perseguição que a Justiça brasileira vem impondo a Lula desde 2015. “Essa violência jurídica foi marcada também pelo processo: foram 23 audiências e mais de 70 testemunhas. Nenhuma confirmou a acusação, que se baseou em um depoimento de um corréu”, disse.

Paulo Sérgio Pinheiro falou sobre o desconforto pelo fato de que o atual governo esteja descumprindo determinação de um órgão, no qual o Brasil é signatário. “A soberania não pode usada para violações de direitos humanos”, resumiu.