18 de fevereiro de 2014, 12h48

Em nova pesquisa, Dilma venceria no primeiro turno

Levantamento encomendado pela CNT aponta que, mesmo com Marina Silva como candidata, disputa terminaria sem segundo turno

Levantamento encomendado pela CNT aponta que, mesmo com Marina Silva como candidata, disputa terminaria sem segundo turno

Por Redação

Dilma Rousseff é favorita nas eleições deste ano  e pode vencer no primeiro turno

Foi divulgada nesta terça-feira (18) pesquisa encomendada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores (CNT), em parceria com o Instituto MDA, na qual a presidenta Dilma Rousseff (PT) aparece com 43,7% das intenções de voto contra 17% de Aécio Neves (PSDB) e 9,9% para Eduardo Campos (PSB). Com este cenário, Dilma vence no primeiro turno, já que soma mais votos do que os adversários juntos.

Caso a disputa fosse contra Aécio Neves e Marina Silva (PSB), Dilma teria 40,5% e a disputa também seria finalizada no primeiro turno. Neste cenário, Marina teria 20,6% e Aécio 15,1%. Brancos e nulos somam 15,9%; não souberam ou não responderam somam 8,3%. Em ambos os cenários foi considerado o candidato Levy Fidélix (PRTB) que obteve 0,4% das intenções de votos.

Este cenário entre Dilma, Aécio e Eduardo se mantém desde a última pesquisa realizada em novembro de 2013, quando a presidenta tinha 43,5% das intenções de votos; Aécio, 19,3%, e Campos, 9,5%, o que também faria com que a eleição fosse eliminada no primeiro turno.

Em um provável segundo turno, Dilma alcança 44,6% das intenções de votos contra 23,4% de Aécio Neves e 26,6% de Marina Silva. Se a disputa no segundo turno fosse com Eduardo Campos, Dilma obteria 48,6% dos votos contra 18% do candidato do PSB.

A presidenta também lidera a pesquisa espontânea, quando o entrevistado declara em quem pretende votar sem ser apresentada a lista com nomes. Dilma tem 21,3%; Lula e Aécio aparecem com 5,6%; Marina Silva, 3,5%; Campos, 1,6%; José Serra, 0,5%, e Geraldo Alckmin, 0,4%.

Foram entrevistadas 2.000 pessoas em 137 municípios de 24 unidades federativas, entre os dias 9 e 14 de fevereiro de 2014. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número 12/2014.