ASSISTA
16 de setembro de 2017, 11h15

Em protesto por terra, indígenas desligam antenas do Pico do Jaraguá

Guaranis querem barrar portaria do governo federal que cancela expansão do território na região: 600 mil pessoas ficaram sem sinal de TV.

Guaranis querem barrar portaria do governo federal que cancela expansão do território na região: 600 mil pessoas ficaram sem sinal de TV.

Da Redação*

Um grupo de índios guaranis, em protesto desde terça-feira (12), ocupando o Parque Estadual do Jaraguá, zona norte de São Paulo, tentam retomar a demarcação de uma área de 532 hectares na região. Ao não verem as reivindicações atendidas, eles subiram ao Pico do Jaraguá e ocuparam antenas de telecomunicações, chegando a interromper o funcionamento da estrutura principal pela manhã – com efeitos para a transmissão de sinal de televisão e celular – e só permitindo o religamento depois de reunião com representantes do governo do Estado. Segundo a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), mais de 600 mil pessoas ficaram sem sinal de TV.

A razão do protesto é a Portaria 683/2017, assinada pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, em 15 de agosto. Nela, Jardim anula a Portaria 581, do próprio ministério, de 29 de maio de 2015, que previa a expansão do território indígena no Jaraguá de 3 hectares para 512.

Desde que a Portaria 683, os guaranis se preparam para realizar protestos. “Ficamos em choque com a revogação e já no primeiro dia pensamos em fazer manifestações. Mas planejamos como atuar, decidimos fazer um ato na Avenida Paulista e agora continuar chamando a atenção para a causa aqui, no parque”, disse Karai Jekupe, integrante do protesto. Para ele, é importante que haja a demarcação para que a tribo “possa conviver na terra dos seus antepassados”.

Os secretários estaduais de Meio Ambiente, Maurício Brusadin, de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e de Justiça, Márcio Elias Rosa, estiveram no parque para reunião com os indígenas. “Nada foi resolvido. Ficaremos aqui”, resumiu um líder indígena.

*Com informações do Estado de S.Paulo

Foto: Christian Braga/Reprodução/Facebook