Imprensa livre e independente
30 de janeiro de 2017, 18h14

Em resposta a Trump, Starbucks anuncia contratação de 10 mil refugiados

Projeto será implementado nos próximos anos em 75 países onde a companhia atua.

Projeto será implementado nos próximos anos em 75 países onde a companhia atua Por Redação No domingo (29), o presidente da rede de cafeterias Starbucks, Howard Schultz, anunciou a contratação de 10 mil refugiados para a empresa nos próximos cinco anos. O projeto vale para os 75 países onde a companhia atua e surgiu como resposta ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que decidiu barrar a entrada de refugiados do Iraque, Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen, nações majoritariamente muçulmanas. Em carta aberta, o empresário reforçou que a Starbucks fará o possível para apoiar os funcionários atingidos pelas...

Projeto será implementado nos próximos anos em 75 países onde a companhia atua

Por Redação

No domingo (29), o presidente da rede de cafeterias Starbucks, Howard Schultz, anunciou a contratação de 10 mil refugiados para a empresa nos próximos cinco anos. O projeto vale para os 75 países onde a companhia atua e surgiu como resposta ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que decidiu barrar a entrada de refugiados do Iraque, Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen, nações majoritariamente muçulmanas.

Em carta aberta, o empresário reforçou que a Starbucks fará o possível para apoiar os funcionários atingidos pelas novas políticas da Casa Branca. “Escrevo a vocês hoje com uma profunda preocupação, o coração apertado e uma promessa decidida”, afirmou. “Vivemos tempos sem precedentes, nos quais somos testemunhas de que a consciência de nosso país e a promessa do sonho americano foram colocadas em xeque”, prosseguiu.

Schutz, que é apoiador do Partido Democrata, garantiu que o grupo irá colaborar com aqueles que fogem da guerra, de perseguições e de discriminação. Nos Estados Unidos, a empresa começará a recrutar refugiados que trabalharam para o Exército americano — como, por exemplo, intérpretes.

Foto: Reprodução

Veja também:  Bloqueios na educação atingem até 54% dos recursos das universidades federais, alerta Andifes

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum