Imprensa livre e independente
15 de março de 2018, 17h30

Empresa é acusada de racismo ao fazer festa que brinca com a escravidão

Uma cerimonialista postou fotos de um ensaio para uma festa de 15 anos de uma jovem de Belém (PA) cujo tema era "imperial garden", com negros fantasiados de escravo servindo a debutante. Produção gerou revolta entre internautas, que enxergaram racismo: "Brincam com a nossa dor"

Uma cerimonialista teve que vir a público, pedir desculpas, assumir o erro e apagar uma postagem depois das milhares de acusações de racismo de internautas. Lorena Machado, dona de uma empresa que promove festas em Belém (PA), postou em suas redes sociais as fotos de um ensaio de uma festa de 15 anos de uma jovem da região. O tema da produção era “imperial garden”, e contava com pessoas negras agindo como escravos ao servir a debutante, que é branca. A denúncia de racismo começou a se espalhar com a postagem de uma internauta negra, na manhã desta quinta-feira (15),...

Uma cerimonialista teve que vir a público, pedir desculpas, assumir o erro e apagar uma postagem depois das milhares de acusações de racismo de internautas. Lorena Machado, dona de uma empresa que promove festas em Belém (PA), postou em suas redes sociais as fotos de um ensaio de uma festa de 15 anos de uma jovem da região. O tema da produção era “imperial garden”, e contava com pessoas negras agindo como escravos ao servir a debutante, que é branca.

A denúncia de racismo começou a se espalhar com a postagem de uma internauta negra, na manhã desta quinta-feira (15), que viralizou nas redes.

“Foi feita uma festa de 15 anos com um tema relacionado a escravidão. Está no Instagram e eu estou completamente assustada. O rosto da menina foi cortado por ser menor de idade e esse é o perfil da cerimonialista.  Sem palavras, completamente. Nome da festa: Imperial Garden. Vocês brincam com nossa dor e depois vem dizer que foi ’em querer’ ou uma ‘homenagem’. Vai se fuder”, escreveu uma usuária do Facebook. A postagem já ultrapassou os 20 mil compartilhamentos.

Veja também:  Sergio Fernando Moro: a memória às vezes se parece demasiado com o esquecimento, por Marcos Danhoni

Diante da repercussão, a cerimonialista Lorena Machado divulgou uma nota em que reconhece o erro e pede desculpas.

Confira a íntegra.

“Na data de ontem, 14.03.2018, o Cerimonial Lorena Machado acompanhado de seus parceiros de trabalho participaram de um ensaio fotográfico de um aniversário de 15 anos, cujo tema é Imperial Garden. Após o término do ensaio e publicação de trechos dele, presenciamos a veiculação dessas imagens como uma reprodução do período escravocrata e forma de racismo.

Diante dos ocorridos, com total humildade, estamos vindo a público nos retratar e pedir PERDÃO.

Jamais foi nossa intenção fazer qualquer retratação que levasse a entender que a escravidão foi algo bom em nossa história. Tínhamos a única intenção de retratar o período histórico do Império que, infelizmente, tinha escravidão. Mas, graças a outros olhares, percebemos que fomos infelizes nessa reprodução. Erramos, sim! E admitimos nosso erro. Como todo ser humano, estamos passíveis de erros e acertos. Desta vez erramos, e feio!

Pedimos perdão a todos os negros, negras, descendentes, pardos e pardas e a qualquer pessoa que tenha se sentido atingida por nossa publicação. Não foi nossa intenção agredi-los ou ofendê-los, mas admitimos que fizemos. E viemos humildemente pedir o perdão de vocês. Agradecemos os comentários feitos para que pudéssemos identificar e entender onde erramos, foi essencial para que crescêssemos.

No mais, pedimos perdão novamente e o Cerimonial Lorena Machado estará sempre aberto a críticas e elogios, pois eles que nos fazem crescer e amadurecer como seres humanos e profissionais.”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum