Imprensa livre e independente
06 de junho de 2019, 21h05

Encontro no Acre debate realidade do povo indígena Huni Kui

Trezentas lideranças discutiram estratégias para resguardar direitos, proteger florestas e territórios da população indígena

Fotos: Eliza Nayonara
Com o objetivo de eleger a nova diretoria da Federação do Povo Huni Kui do Estado do Acre (FEPHAC) e planejar estratégias para nortear as ações de governança para garantir o resguardo de seus direitos, proteger as florestas e seus territórios, foi realizada a V Assembleia Ordinária Huni Kui (povo indígena), em Rio Branco, Acre, entre 21 e 25 de maio. Participaram do encontro 350 pessoas, contando com 300 lideranças Huni Kui (representantes das regiões Alto Rio Purus, Marechal Thaumaturgo, Jordão, Feijó e Tarauacá), organizações governamentais do estado do Acre e federais, organizações de outros países, pesquisadores, equipe técnica da FEPHAC e lideranças...

Com o objetivo de eleger a nova diretoria da Federação do Povo Huni Kui do Estado do Acre (FEPHAC) e planejar estratégias para nortear as ações de governança para garantir o resguardo de seus direitos, proteger as florestas e seus territórios, foi realizada a V Assembleia Ordinária Huni Kui (povo indígena), em Rio Branco, Acre, entre 21 e 25 de maio.

Participaram do encontro 350 pessoas, contando com 300 lideranças Huni Kui (representantes das regiões Alto Rio Purus, Marechal Thaumaturgo, Jordão, Feijó e Tarauacá), organizações governamentais do estado do Acre e federais, organizações de outros países, pesquisadores, equipe técnica da FEPHAC e lideranças de outros povos convidados, incluindo os Mapuche, do Chile.

No decorrer do evento foram trabalhados os seguintes eixos norteadores: Representações Huni Kui, Cultura e Espiritualidade, Território e Meio Ambiente, Educação Huni Kui, Saúde Huni Kui, Economia e Sustentabilidade.

As lideranças debateram as problemáticas de cada região, como questões sobre a educação e saúde, que não têm atendido corretamente às necessidades das comunidades; discutiram sobre o protocolo Huni Kui, que sistematiza a entrada de pessoas não indígenas e indígenas de outros povos nos territórios Huni Kui, seja para etnoturismo, pesquisas ou realizar outras atividades; dialogaram também sobre documentar os Huni Kui, que viajam para outros estados e países; além dos procedimentos quanto à preservação da cultura e resguardar a integridade do povo. Todos os protocolos foram aprovados pela plenária.

Veja também:  Generais nacionalistas são uma espécie em extinção, por Evilázio Gonzaga

Houve também a apresentação de projetos por parceiros e pesquisadores, com análise das lideranças e do conselho deliberativo com a FEPHAC.

Os projetos

Os projetos apresentados foram: Pesquisa neurocientifica do Nixi Pae (Ayahuasca); Pesquisa Daú/Medicina fitoterápica na aldeia São Joaquim, com a montagem do laboratório de produção, em parceria com várias instituições  de pesquisa; Autorização da publicação dos CDs gravados pelos artistas Inká kurú, Isariwê e a Ayani; realização do Festival internacional Eskawata Kayawai, com apoio da APOTI; Etnoturismo nos territórios Huni Kui; Criação da linha de moda, com o projeto ECOMODA HUNI KUI produzida pelas mulheres do território Praia do Carapanã, município de Tarauacá.

Foram aprovadas as apresentações dos resultados dos eixos temáticos para construção do Plano Político Huni Kui, com o objetivo de proteger sua identidade, florestas, territórios e direitos. Decidiram, ainda, que devem continuar os intercâmbios com os nawás (não indígenas), desde que sejam respeitados direitos, espaços, cultura e modo de viver. Por fim, por meio dos debates, chegou-se à conclusão de que é possível conciliar modernização com a cultura original e modo de vida dos Huni Kui, que lutam para isso desde a colonização. O objetivo é que possam ter uma vida digna, com mais tranquilidade, segurança e fundada nas tradições de seu povo.

Veja também:  Facebook suspende conta de Carlos Bolsonaro por mostrar imagens de violência explícita

FEPHAC

A Federação do Povo Huni Kui do Estado do Acre – FEPHAC, NUKUN HUNI KUINEN BEYA XARABU TSUMASHUN EWAWA, com sede em Rio Branco, no Acre, foi criada em 2006 e tem a missão de defender os direitos, buscar a unificação, fortalecimento, desenvolvimento e sustentabilidade, proteger seus bens culturais, imateriais e territórios, congregando 104 aldeias, que estão distribuídas em 12 territórios de cinco municípios (Alto Rio Purus, Marechal Thaumaturgo, Jordão, Feijó e Tarauacá, além das associações e organização de base).

A FEPHAC é composta por uma diretoria totalmente Huni Kui, com presidente, vice, secretário, tesoureiro, conselho deliberativo e fiscal, seis coordenações e assessorias técnicas, sendo essas últimas compostas por técnicos indígenas e/ou não indígenas, com formação e experiência nas áreas necessárias.

Vídeo: @bemteviproducoes

Com informações da FEPHAC

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum