Imprensa livre e independente
04 de julho de 2016, 15h38

ENEM tem alta de 46% no uso de nome social por travestis e transexuais

A possibilidade de uso do nome social ocorreu pela primeira vez em 2014, quando foram feitos 102 pedidos Por Redação Mais de 400 travestis e transexuais vão utilizar o nome social no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) deste ano, um aumento de 46% em relação ao ano passado, quando o exame registrou 278 inscrições. A possibilidade de uso do nome social ocorreu pela primeira vez em 2014, quando foram feitos 102 pedidos. O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), responsável pela aplicação da prova, recebeu 842 solicitações. Destas, 434 foram reprovadas porque os interessados não encaminharam a...

A possibilidade de uso do nome social ocorreu pela primeira vez em 2014, quando foram feitos 102 pedidos

Por Redação

Mais de 400 travestis e transexuais vão utilizar o nome social no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) deste ano, um aumento de 46% em relação ao ano passado, quando o exame registrou 278 inscrições. A possibilidade de uso do nome social ocorreu pela primeira vez em 2014, quando foram feitos 102 pedidos.

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), responsável pela aplicação da prova, recebeu 842 solicitações. Destas, 434 foram reprovadas porque os interessados não encaminharam a documentação necessária, segundo o instituto.

Para serem tratados pelo nome social, era preciso fazer a inscrição no mesmo período que os demais candidatos. Posteriormente, entre 1º de junho e 8 de junho, o pedido deveria ser formalizado pela internet, com o preenchimento de formulário e envio de foto recente e cópia de documento de identificação.

As provas do ENEM estão previstas para os dias 5 e 6 de novembro.

Veja também:  "Comentarista" de notícias na internet é condenado por discriminação racial contra nordestinos

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum