Imprensa livre e independente
16 de março de 2018, 09h52

Época denuncia em detalhes esquema de Alckmin com o seu cunhado

O irmão de Lu Alckmin arrecada há 20 anos para os tucanos, inclusive FHC

Capa da Revista Época com o cunhado de Alckmin. Foto: Reprodução
A capa da revista Época, da editora Globo, que chega às bancas nesta sexta-feira (16) ataca o governador Geraldo Alckmin e seu cunhado, a quem a publicação chama de “discreto operador”. Segundo a revista, o empresário paulistano Adhemar César Ribeiro, irmão da primeira-dama Lu Alckmin, participa há mais de20 anos arrecadando dinheiro de caixa dois para o PSDB, estando envolvido inclusive com esquemas do governo de FHC. Confira abaixo alguns trechos da reportagem de Thiago Herdy: “Nos 20 anos que se seguiram à segunda campanha presidencial de FHC, Ribeiro ficou na dele. A ascensão política de Alckmin — de vice a governador, de...

A capa da revista Época, da editora Globo, que chega às bancas nesta sexta-feira (16) ataca o governador Geraldo Alckmin e seu cunhado, a quem a publicação chama de “discreto operador”.

Segundo a revista, o empresário paulistano Adhemar César Ribeiro, irmão da primeira-dama Lu Alckmin, participa há mais de20 anos arrecadando dinheiro de caixa dois para o PSDB, estando envolvido inclusive com esquemas do governo de FHC.

Confira abaixo alguns trechos da reportagem de Thiago Herdy:

“Nos 20 anos que se seguiram à segunda campanha presidencial de FHC, Ribeiro ficou na dele. A ascensão política de Alckmin — de vice a governador, de governador a candidato a presidente, de governador novamente a novamente pré-candidato a presidente — não alterou sua discrição. Nem, aparentemente, sua relação com envelopes pardos destinados ao PSDB. Há um ano, quando o nome de Ribeiro apareceu na delação da Odebrecht como o homem que intermediava dinheiro vivo entre a empreiteira e a campanha de Alckmin ao governo de São Paulo em 2010, poucos o conheciam. Poucos ainda o conhecem — e sabem o risco que ele representa às pretensões presidenciais de Alckmin. Há um inquérito aberto no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra o governador de São Paulo e seu cunhado. Tramita em sigilo.

Nas últimas seis semanas, ÉPOCA investigou as incursões de Ribeiro no submundo da arrecadação de campanhas. Levantou, por meio de documentos e testemunhas, seu patrimônio, processos antigos, os negócios de suas empresas e episódios controversos de sua vida. Ao todo, 78 pessoas foram entrevistadas. As evidências obtidas pela reportagem corroboram a suspeita de que Ribeiro atuou como arrecadador informal de campanhas do PSDB. Revelam que, apesar de ter feito fortuna como banqueiro e empresário, ele mantém, por meio de sua família, negócios sob influência direta da gestão Alckmin no estado de São Paulo, como a concessão para a exploração de cinco aeroportos regionais — contratos assinados mediante uma licitação com indícios consistentes de favorecimento ilegal ao filho do cunhado. Ou seja, ao sobrinho do governador. A investigação aponta também que, mesmo contando com um patrimônio que inclui salas comerciais, uma mansão situada em área de 2.300 metros quadrados no Morumbi, uma fazenda centenária com centenas de cabeças de gado em Santa Rita do Passa Quatro, São Paulo, uma casa em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, e um barco avaliado em US$ 400 mil, Ribeiro deve à cidade de São Paulo R$ 1,15 milhão em IPTUs atrasados.”

 

Veja também:  Malditos hipócritas: a grande mídia e a investida contra Bolsonaro

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum