Imprensa livre e independente
27 de julho de 2018, 11h37

Equador se prepara para entregar Assange

Durante um discurso em Madri, Moreno afirmou que Assange terá que finalmente deixar a embaixada onde ele mora desde 2012

(Foto: AFP/Arquivo/Agencia Brasil)
Por Agência Sputnik O Equador falou com o governo britânico sobre a situação em torno do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que atualmente reside na embaixada do país latino-americano em Londres, disse nesta sexta-feira (27) o presidente equatoriano Lenin Moreno, informa a Reuters. Durante um discurso em Madri, Moreno afirmou que Assange terá que finalmente deixar a embaixada onde ele mora desde 2012, relata a agência. As especulações sobre o destino de Assange começaram depois que o jornal The Sunday Times reportou sobre a discussão de altos funcionários do Equador e do Reino Unido de retirar Assange da embaixada após revogar...

Por Agência Sputnik

O Equador falou com o governo britânico sobre a situação em torno do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que atualmente reside na embaixada do país latino-americano em Londres, disse nesta sexta-feira (27) o presidente equatoriano Lenin Moreno, informa a Reuters.

Durante um discurso em Madri, Moreno afirmou que Assange terá que finalmente deixar a embaixada onde ele mora desde 2012, relata a agência.

As especulações sobre o destino de Assange começaram depois que o jornal The Sunday Times reportou sobre a discussão de altos funcionários do Equador e do Reino Unido de retirar Assange da embaixada após revogar seu asilo. Uma fonte próxima ao fundador de WikiLeaks também contou à Reuters que a situação estava chegando ao fim.

Há alguns meses a imprensa tem especulado que o Equador estava se preparando para revogar asilo ao denunciante mais procurado do mundo, depois que a então chanceler equatoriana María Fernanda Espinosa ter dito que seu governo e o Reino Unido tinham “a intenção e o interesse na resolução da situação”.

Veja também:  Crime em Brumadinho: Gilmar suspende quebra de sigilo de ex-presidente da Vale

Em junho, o novo ministro das Relações Exteriores do Equador, José Valencia, sugeriu que o refúgio de Assange não pode durar para sempre, acrescentando que o país tentou resolver o problema.

O fundador do portal denunciador mora na embaixada do Equador em Londres desde 2012 para escapar de uma possível extradição para a Suécia, onde foi acusado de estupro e agressão sexual.

A promotoria sueca abandonou o caso em maio do ano passado, mas o fundador do WikiLeaks segue na embaixada por temer ser preso ao deixar o local e ser extraditado para os Estados Unidos, onde enfrentará acusações de espionagem por vazamento de milhares de documentos secretos sobre operações militares americanas, incluindo no Iraque e no Afeganistão.

Segundo The Guardian, o Equador gastou cerca de 5 milhões de dólares com uma operação de inteligência clandestina para recrutar agentes secretos para vigiarem visitantes de Assange. A operação teria sido aprovada pelo ex-presidente equatoriano Rafael Correa e pelo ex-chanceler Ricardo Patino.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum