26 de outubro de 2018, 15h45

“Esquerda precisa de um novo Goebbels?”, indaga Cinegnose na CEE-Fiocruz no Rio

Enquanto a esquerda mal compreendeu o funcionamento das mídias de massa no século XX, nesse século a direita dá um segundo salto tecnológico com a guerra semiótica no campo das tecnologias de convergência – Internet e redes sociais.

“A esquerda precisa de um novo Goebbels… mas, claro, sem a parte do Holocausto!”. À guisa da conclusão do debate nessa última segunda-feira (22/10) no Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz (CEE-Fiocruz), no Rio de Janeiro, este humilde blogueiro fez essa afirmação. Certamente, uma afirmação retórica sob o impacto da atual atmosfera política da ameaça de um abismo sem fundo para o campo progressista.

O tema da palestra proferida por esse editor do Cinegnose foi “A Guerra Semiótica nas Políticas Sociais e Saúde”. Mas, como não poderia deixar de ser no contexto eleitoral atual, minha fala partiu de um panorama histórico dos diferentes viéses de comunicação entre a direita e a esquerda no espectro político.

A exposição foi comentada por Umberto Trigueiros, assessor do gabinete da presidência da Fiocruz, e Carlos Fidelis Ponte, Pesquisador do Observatório História e Saúde da fundação e diretor da Asfoc-Sindicato.

Enquanto a direita sempre se mostrou vanguardista no campo da comunicação desde os tempos do nazifascismo (lá no passado, o cinema e o rádio; hoje, tecnologias de convergência e dispositivos móveis), a esquerda ainda mal conseguiu compreender como corações e mentes foram conquistados no século XX em golpes políticos como o nazismo, o fascismo e na América Latina nos anos 1960-70 – Brasil, Chile, Argentina.

Por isso a palestra apresentou um campo de lutas na comunicação assimétrico: a direita sempre compreendeu muito bem a natureza performática da comunicação. A comunicação é de natureza fenomenológica, fugidia, efêmera, é o acontecimento, o instante, o aqui e agora. A posteriori é Semiótica, Linguística ou Sociologia. Já é o primado da representação ou do falar sobre a própria comunicação depois que ela aconteceu.

A direita sabe muito bem que memes, fake news, boatos e mentiras têm efeito viral e criam acontecimentos – climas, atmosferas, percepções. A posteriori, agências de checagens, denúncias ou condenações éticas, morais ou judiciais não desfazem os efeitos.

Destaquei que pior do que o efeito das fake news é o efeito da pós-verdade.  Está além da verdade ou da mentira, da credibilidade ou da desconfiança: a pós-verdade está no campo da verossimilhança.

Enquanto isso a esquerda se apega a uma visão conteudista da comunicação, apenas como um meio para transmitir mensagens – proposições, conscientização, ideologias, doutrinas, denúncias.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>