Blog do Maringoni

23 de outubro de 2017, 11h18

Está aberta a temporada de malhação a Jessé Souza

Jessé tornou-se o principal intelectual público de esquerda no Brasil. Por isso ainda vai apanhar muito. Como sempre repetia um querido camarada, já falecido, "Paciência. Esse é o ritmo da batalha".

Jessé tornou-se o principal intelectual público de esquerda no Brasil. Por isso ainda vai apanhar muito. Como sempre repetia um querido camarada, já falecido, “Paciência. Esse é o ritmo da batalha”.

Por Gilberto Maringoni*

Jessé Souza (foto) está granjeando antipatias à direita é à esquerda por fazer uma demolidora crítica ao que chama de “elite do atraso” e por ter tocado nos fundamentos conceituais abraçados por larga parte da esquerda brasileira surgida após 1980. Trata-se – em ambos os casos – do viés anti-Estado, anti-planejamento e abertamente anticomunista desses segmentos. Em outras palavras, ele chamou para a briga setores que se valem de arsenal teórico marcado por nem sempre claros laços com o liberalismo.

A manifestação original dessas correntes de pensamento têm no livro “Raízes do Brasil” (1936), de Sérgio Buarque de Hollanda sua métrica basilar.

Obra pueril

O livro em si – muito bem escrito – é pueril. Trata-se de uma grande crônica histórico-antropológica sem rigor científico, sem método e sem dados empíricos comprobatórios. Tornou-se um clássico ao ser reescrito nos anos 1940 (veja-se o notável artigo de Leopoldo Waizbort, “O mal-entendido da democracia”, encontrável com uma googlada) e ao ganhar o prefácio de Antônio Cândido, que se tornou chave de leitura, em 1967.

Com conceitos vagos e frases de efeito (“A democracia no Brasil foi sempre um lamentável mal-entendido”,”O homem cordial”, entre outras) a obra é um rosário de palpites desconexos sobre nossa história. Brande, com ênfase, a ideia de patrimonialismo do Estado, que seria uma característica ibérica de nossa formação.

Mais do que tudo, Sérgio Buarque gerou epígonos que desenvolveram suas “teorias”. Exemplo clássico é Raimundo Faoro (“Os donos do poder”, 1958) que localiza os problemas do país nos “estamentos burocráticos” do Estado. A divisão da sociedade em classes passa ao largo, como questão secundária nessas formulações.

O alvo é o Estado

O caminho desemboca em Francisco Weffort, a diagnosticar outra desgraça do país, o “populismo”, que tem do autor leitura conservadora. FW a utiliza quase como sinônimo de demagogia. E tudo culmina em Fernando Henrique Cardoso e seus “anéis burocráticos” incrustados no Estado (“Autoritarismo e democratização”, 1975).

A solução óbvia para essa “disfunção” estatal foi colocada em prática nos anos 1990, em seus governos. Ao localizar o Estado como lócus dos problemas, a tarefa a ser desenvolvida é mitigar seu “gigantismo”. Ou seja, cortar e reduzir seu papel social e indutor da atividade econômica e redirecionar sua agenda em favor dos oligopólios privados.

Do lado da esquerda oitentista, há um “plus a mais”. Tratava-se de investir contra o autoritarismo do Estado (sim, “do Estado” em si e não das classes que o controlam), representado pela Lei de Greve, pela possibilidade de intervenção nos sindicatos entre outros atributos. FHC preferia falar em “Estado autoritário” ao invés de “ditadura militar’. Uma amplíssima maioria – eu inclusive – achava ser tudo a mesma coisa, o que não era real.

Heranças negadas

A partir daí, a esquerda oitentista passou a negar o nacional-desenvolvimentismo e a significativa herança getulista, incluindo a Consolidação das Leis do Trabalho. É tristemente curioso lembrar que a CUT dos anos 1980/90 investia pesadamente contra a CLT – tachando-a de “legislação fascista” – e seus instrumentos, como o imposto e a unicidade sindical. Conquistaram o que almejavam há trinta anos, no bojo da reforma trabalhista de agora…

A investida do liberalismo progressista não ficou nisso. Memoráveis foram os ataques ao Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB) e à Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), cometidos nos anos 1970 por intelectuais de prestígio da Ciência Política da USP. Em plena ditadura!

Não esqueçamos do anticomunismo pretensamente sofisticado, materializado em demonizar a “Declaração de março de 1958”, do PCB. Esse tópico merece argumentação de mais fôlego, pois mesmo entre a esquerda comunista subsistem críticas a um texto feito – com o instrumental e as informações disponíveis na época – para tirar o Partido do isolamento resultante da linha ultraesquerdista adotada desde 1950 e potencializada nas denúncias contra Josef Stalin verberadas por Nikita Khrushov, no XX Congresso do PCUS, em 1956.

Não quero me alongar para os poucos que lerão este texto (que demanda versão mais detalhada).

Debate urgente

É importante dizer que, sem ser marxista, Jessé Souza coloca em cena um debate urgente e necessário, não enfrentado pela intelectualidade e por lideranças de esquerda. Ao detetar o liberalismo enraizado em parte das vertentes progressistas, ele traça também um devastador quadro das classes dominantes (e da direita) brasileira.

Não é à toa que parcela da Ciência Política da USP, onde várias dessa ideias germinaram ao longo de décadas, invista com fúria contra ele. Pecado adicional: Jessé escreve de forma clara e vende – muitos – livros (o que demonstra a necessidade social de seus argumentos). Possivelmente por tais razões é acusado de “falta de rigor acadêmico”. Vale perguntar se “Raízes do Brasil” apresenta algum rigor acadêmico…

A crítica formulada em seus livros dirige-se às classes dominantes, em primeiro lugar, e a uma esquerda com nome e endereço conhecidos. Ela está presente em muitos agrupamentos no interior do PT e do PSOL e em parcelas da Universidade. Na direita, encontra guarida no PSDB e em seus think tanks, como o Insper, a Casa das Garças, o Instituto Millenium e em todos os que bradam contra o “populismo”, o “patrimonialismo”, a “conciliação de classes”, o “desenvolvimentismo”, o “totalitarismo” e outras construções teóricas torcidas pelo liberalismo.

Jessé tornou-se o principal intelectual público de esquerda no Brasil. Por isso ainda vai apanhar muito.

Como sempre repetia um querido camarada, já falecido, “Paciência. Esse é o ritmo da batalha”.

*Gilberto Maringoni é professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC. É também jornalista e cartunista.

Foto: YouTube