ASSISTA
10 de setembro de 2013, 14h41

Estado pagará pensão para família de Amarildo

Em sua decisão, desembargador determinou, também, que parentes do pedreiro terão tratamento psicológico

Em sua decisão, desembargador determinou, também, que parentes do pedreiro terão tratamento psicológico

Por Redação

Nas ruas, durante manifestações, a pergunta se repete: “Cadê o Amarildo?” (Foto: Reprodução)

A família do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, desaparecido desde o dia 14 de julho, receberá uma pensão no valor de um salario mínimo que será paga pelo governo do estado do Rio de Janeiro.

A decisão é do desembargador Lindolpho Morais Marinho, da 16º Câmara Cível, que afirmou ser “inequívoco”que a família de Amarildo passa por “privações materiais e imateriais.”

O governo do Rio tem cinco dias para cumprir a determinação judicial que prevê também tratamento psicológico para os familiares de Amarildo no valor de R$ 300, por sessão.

O Brasil continua sem saber o destino de Amarildo, de 47 anos, morador da Rocinha que desapareceu no dia 14 de julho após abordagem realizada por agentes da UPP instalada na comunidade.

A Delegacia de Homicídios (DH) realizou, no último dia 9, mais uma simulação do trajeto feito pela viatura da UPP que conduziu Amarildo. O laudo pericial deve ficar pronto em 20 dias.