Imprensa livre e independente
12 de junho de 2019, 10h55

Ex-comandante das FARC assume mandato como deputado na Colômbia

Preso desde abril de 2018, Jesús Santrich obteve da Corte Suprema uma liminar para poder responder em liberdade à acusação de ligação com o narcotráfico, e também uma garantia de não extradição aos Estados Unidos

Jesús Santrich toma posse como deputado na Colômbia (Foto: Reprodução/YouTube)
Após meses de batalha judicial, o ex-guerrilheiro e ex-comandante das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) Jesús Santrich assumiu, nesta terça-feira (11), sua vaga como deputado no Parlamento colombiano. Apesar da grande presença de meios comunicações durante a sua posse, o novo congressista preferiu não dar declarações. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Em março de 2018, Santrich foi um dos 10 deputados eleitos pelo novo partido FARC – com os acordos de paz de 2016, a guerrilha se transformou em um partido político, mas manteve a sigla, que...

Após meses de batalha judicial, o ex-guerrilheiro e ex-comandante das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) Jesús Santrich assumiu, nesta terça-feira (11), sua vaga como deputado no Parlamento colombiano. Apesar da grande presença de meios comunicações durante a sua posse, o novo congressista preferiu não dar declarações.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Em março de 2018, Santrich foi um dos 10 deputados eleitos pelo novo partido FARC – com os acordos de paz de 2016, a guerrilha se transformou em um partido político, mas manteve a sigla, que agora significa Força Alternativa Revolucionária do Comum. Porém, no mês seguinte, ele foi condenado e preso por um tribunal regional, acusado de ligação com o narcortráfico, e chegou a enfrentar inclusive um pedido de extradição aos Estados Unidos, baseado nas mesmas denúncias.

Dias atrás, a Corte Suprema de Justiça da Colômbia concedeu a Santrich uma liminar, que permitiu a ele continuar respondendo ao processo em liberdade, e assim poderá exercer seu mandato enquanto não há uma condenação definitiva sobre o seu caso na máxima instância judicial do país. O ex-líder das FARC também foi beneficiado com uma garantia de não extradição, baseada nos princípios do Acordo de Paz de 2016.

Veja também:  Colunista da Folha, Clóvis Rossi morre aos 76 anos

Entretanto, o presidente colombiano, Iván Duque, não pretende dar vida fácil ao novo deputado. Suas declarações após a liberação de Santrich foram para pressionar o Judiciário e também a Procuradoria da República, no sentido de rever os benefícios dados ao ex-combatente, e afastá-lo do cargo: “espero que, uma vez que a Procuradoria pediu sua captura, ela também peça à Corte Suprema a suspensão dessa pessoa do exercício do cargo”.

Radical de direita, Duque foi eleito presidente em junho de 2018, com um discurso radicalmente contrário aos Acordos de Paz de 2016, mas vem tendo pouco progresso em suas medidas para reverter politicamente os seus efeitos. Ao menos até agora.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum