10 de setembro de 2018, 12h10

Executivo diz que ataque consolida Bolsonaro no 2º turno. Bolsa sobe dois pregões seguidos

Com a vitimização, Bolsonaro tende a crescer nas pesquisas, o que agrada investidores

O deputado Jair Bolsonaro. Foto: Agência Câmara

O ataque ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), na quinta-feira (6), fez a Bolsa de Valores brasileira disparar por dois dias consecutivos e abrir, nesta segunda-feira (10), em alta de 0,91%, a 77.118 pontos. A explicação é simples e foi dada por Alvaro Bandeira, economista-chefe da Modalmais. Com a vitimização, Bolsonaro tende a crescer nas pesquisas e isto afaga o mercado.

“Como o mercado mostrou no final da sessão de quinta-feira, a consolidação de Bolsonaro no segundo turno parece agradar investidores”, escreveu.

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) cresceu e foi de 22% para 30% nas intenções de votos de acordo com levantamento do Instituto FSB Pesquisa, contratado pelo Banco BTG Pactual. O levantamento foi realizado nos dias 8 e 9 últimos, o primeiro depois do atentado que o presidenciável sofreu na última quinta-feira (6).

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), candidato a vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, subiu dois pontos e já empata com Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede), com 8% das intenções de votos. Atrás de Bolsonaro, aparece o candidato Ciro Gomes (12%).

“Ainda é bastante difícil conjecturar quais os ganhos (para Bolsonaro) e as perdas para os demais. Muito provavelmente as próximas pesquisas Datafolha e Ibope devem trazer muito ruído e não devem serem tomadas a valor de face (vide 2014)”, escreveu a equipe da Guide Corretora nesta manhã.

Na noite desta segunda-feira será divulgada pesquisa Datafolha coletada também após o ataque a Bolsonaro e a primeira do instituto sem o ex-presidente Lula, impedido de concorrer por decisão da Justiça. Estão previstas ainda nova pesquisa Ibope na quinta-feira e novo Datafolha na sexta.

Com informações da Folha