05 de dezembro de 2018, 09h09

Executivo ligado a ex-cônsul honorário da Grécia é alvo de busca e apreensão em nova fase da Lava Jato

Ele usou o nome do Grupo Libra para se apresentar em 4 das 17 visitas que fez pessoalmente à Petrobrás. O grupo é um dos maiores doadores da campanha de Michel Temer em 2014

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
A Polícia Federal (PF) está nas ruas, nesta quarta-feira (5), para cumprir 11 mandados de prisão preventiva, e 26 de busca e apreensão da 57ª fase da operação Lava Jato, batizada de “Sem Limites”. Um dos mandados de busca e apreensão é contra Omar Emir Chaves Neto. Ele é diretor de uma empresa de transporte marítimo. Chaves Neto era ligado a Konstantinos Kotronakis, ex-cônsul honorário da Grécia. Kotronakis chegou a ser proibido de deixar o país, pelo então juiz federal Sérgio Moro, por suspeita de pagar propina ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Konstantino Kotronakis foi alvo da 43ª fase da...

A Polícia Federal (PF) está nas ruas, nesta quarta-feira (5), para cumprir 11 mandados de prisão preventiva, e 26 de busca e apreensão da 57ª fase da operação Lava Jato, batizada de “Sem Limites”. Um dos mandados de busca e apreensão é contra Omar Emir Chaves Neto. Ele é diretor de uma empresa de transporte marítimo.

Chaves Neto era ligado a Konstantinos Kotronakis, ex-cônsul honorário da Grécia. Kotronakis chegou a ser proibido de deixar o país, pelo então juiz federal Sérgio Moro, por suspeita de pagar propina ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Konstantino Kotronakis foi alvo da 43ª fase da Operação Lava Jato. Ele usou o nome do Grupo Libra para se apresentar em 4 das 17 visitas que fez pessoalmente à Petrobrás. O grupo é um dos maiores doadores da campanha de Michel Temer em 2014.

Na época, os investigadores acharam ligação de Kotronakis e de seu filho Georges Kotronakis com dois operadores de propinas ligados aos esquemas do PMDB e do PP na corrupção na Petrobrás: Jorge Luz e Henry Hoyer.

A força-tarefa identificou nos registros de reuniões da estatal uma agenda em que aparecem os nomes de Kotronakis, Luz e Hoyer – esse, alvo também da 43ª fase. Jorge Luz – preso desde o início de 2017 com seu filho Bruno Luz – é considerado um dos mais antigos lobistas que atuavam na Petrobrás, com vínculos com medalhões do PMDB.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Os policiais permaneceram cerca de uma hora no apartamento de Chaves Neto, no Rio de Janeiro (RJ). Eles apreenderam um computador, um HD externo e um celular.

A Operação “Sem Limites”, de acordo com a PF, investiga ação de uma organização criminosa que agia na área de trading da Petrobras. Foram expedidos 11 mandados de prisão preventiva, e 26 de busca e apreensão. Até o momento, cinco pessoas foram presas no estado do Rio de Janeiro.

A investigação envolve o pagamento de pelo menos US$ 31 milhões em propinas para funcionários da Petrobras, entre 2009 e 2014. O pagamento, ainda conforme a polícia, foi feito por grandes empresas do mercado de petróleo e derivados – conhecidas como tradings.

Dos 11 mandados de prisão preventiva, que são por tempo indeterminado, 10 devem ser cumpridos na cidade do Rio de Janeiro, e um em Petrópolis (RJ).

Entre os detidos, estão os advogados Gustavo Buffara Bueno e André Luiz dos Santos Paza que, de acordo com as investigações, lavavam dinheiro para agentes públicos.

Os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba. Os investigados podem responder por corrupção, organização criminosa, crimes financeiros e de lavagem de dinheiro, segundo a PF.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais