06 de dezembro de 2018, 16h37

Andras Uthoff: “Previdência chilena, que deve servir de modelo para Bolsonaro, é um desastre”

Hoje aproximadamente 79% dos chilenos aposentados recebem menos do que um salário mínimo por mês, enquanto 44% deles estão abaixo da linha pobreza

Foto: Reprodução/TV Globo

Por Fabio Dorneles

Professor da Faculdade de Economia e Negócios da Universidade do Chile e Conselheiro da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Andras Uthoff, esteve nesta terça-feira (4), em São Paulo, para participar de seminário organizado para uma plateia formada por dirigentes sindicais e representantes dos movimentos sociais pelo escritório Crivelli Advogados. A proposta era que falasse do sistema previdenciário de seu país, que deve servir de modelo para a reforma da previdência proposta por Jair Bolsonaro (PSL).

Especialista no tema e um dos principais críticos do modelo, Uthoff explicou que em 1981 o Chile – sob o comando de Augusto Pinochet – dissolveu a previdência pública do país e instituiu a previdência privada para todos, gerenciada por administradoras de fundos de pensões (AFP). Nesse formato, os contratos de contribuição são individuais obrigatórios para os trabalhadores, mas não para as empresas.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

O problema é que – ano após ano – com as instabilidades do país, as crises econômicas e o desemprego fizeram com que as pessoas não conseguissem mais contribuir, ficando sem uma garantia para a velhice. E aqueles que ainda conseguem, chegam ao final da vida com aposentadorias absurdamente baixas.

Uthoff afirma que hoje aproximadamente 79% dos chilenos aposentados recebem menos do que um salário mínimo por mês, enquanto 44% deles estão abaixo da linha pobreza. “O modelo de previdência chileno é um desastre. Quem não tem emprego não tem nada. E o Estado – que deveria se preocupar com a população – só regula e observa a concorrência das AFPs. Não há uma preocupação com o cidadão e nem se ele vai receber uma boa aposentadoria”, explica.

Apesar de se revelar um mau negócio para o povo, a previdência chilena tornou-se um excelente negócio para as empresas financeiras. Segundo Uthoff, 75% do PIB do país são de ativos pertencentes aos trabalhadores e administrados pelas AFPs. Ele destaca ainda que o lucro das AFPs corresponde a 25% dos ativos por ano, o que lhes permite recuperar seus investimentos a cada 4 anos. “As administradoras de fundos de pensões nunca perdem. Todo esse montante é investido no interesse de grandes grupos. Havia a promessa de boas aposentadorias e o que temos hoje são excelentes negócios. No meu país foi criada uma indústria financeira que só se preocupa com o lucro”, pondera.

Andras Uthoff diz que soube pela imprensa da intenção do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, copiar o modelo de previdência de seu país. Entretanto, acha improvável. O primeiro ponto, segundo ele, é a alta quantidade de desempregados que há no Brasil, o que inviabilizaria a mudança. Depois, pelo alto custo da transição. Uthoff destaca que até hoje a população chilena está pagando pela troca.

Sócio do escritório Crivelli Advogados, Ericson Crivelli também afirmou não acreditar que o futuro governo possa ser capaz de aplicar um modelo de previdência como o chileno. “Esse não é um modelo para o Brasil. Seria um desastre elevado ao cubo”, destaca.

Ele lembra que no passado o Chile colocou em prática uma forte política neoliberal de privatizações e redução de gastos, o que prejudicou setores sociais. “Pensar que um cenário desses é possível é imaginar que o governo irá trabalhar fora da regra. Por hora eu não acredito nessa mudança, mesmo com todo o excesso de farda e toga que há no primeiro time do governo. Acho que não chegamos nesse ponto”, finaliza.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais