Imprensa livre e independente
17 de maio de 2019, 07h07

Fábrica de munição pede R$ 100 milhões ao BB após decreto das armas de Bolsonaro

Nas redes sociais, a CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos) diz aos "clientes e amigos" que está "tão ansiosa quanto vocês para podermos exercer nossos direitos em relação ao novo decreto", mas que aguarda instruções do Exército para comercializar "novos calibres de uso permitido"

(Reprodução/Facebook)
Coluna Painel S.A., da jornalista Joana Cunha, na edição desta sexta-feira (17) da Folha de S.Paulo, informa que a CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos), uma das maiores fabricantes de munição do mundo, está prestes a fechar um pedido de financiamento de até R$ 100 milhões com o Banco do Brasil. A captação de recursos pela indústria armamentista brasileira ao banco estatal ocorreu após a publicação do polêmico decreto sancionado por Jair Bolsonaro (PSL) que liberou o porte de armas para políticos, caminhoneiros, advogados e até jornalistas. Nas redes sociais, a empresa diz aos “clientes e amigos” que está “tão ansiosa...

Coluna Painel S.A., da jornalista Joana Cunha, na edição desta sexta-feira (17) da Folha de S.Paulo, informa que a CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos), uma das maiores fabricantes de munição do mundo, está prestes a fechar um pedido de financiamento de até R$ 100 milhões com o Banco do Brasil.

A captação de recursos pela indústria armamentista brasileira ao banco estatal ocorreu após a publicação do polêmico decreto sancionado por Jair Bolsonaro (PSL) que liberou o porte de armas para políticos, caminhoneiros, advogados e até jornalistas.

Nas redes sociais, a empresa diz aos “clientes e amigos” que está “tão ansiosa quanto vocês para podermos exercer nossos direitos em relação ao novo decreto”, mas que aguarda instruções do Exército para comercializar “novos calibres de uso permitido”.

O decreto foi contestado e se tornou alvo de processo no Supremo Tribunal Federal. Na semana passada, consultores da Câmara e do Senado elaboraram pareceres que indicam que o decreto de Bolsonaro extrapola limites legais, distorcendo o Estatuto do Desarmamento.

Veja também:  Putin critica hegemonia do dólar e afirma que moeda se tornou “instrumento de pressão dos EUA”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum