Imprensa livre e independente
25 de julho de 2018, 10h38

Fagner diz que amizade com Chico Buarque acabou por conta da política

“Perdi um amigo que amo muito. Infelizmente, porque a política deveria ser uma coisa a parte”, disse

(Foto: Leonardo Aversa/Divulgação)
O cantor e compositor Raimundo Fagner disse, em entrevista ao Glamurana, publicada nesta terça-feira (25), lamentar a falta que sente de Chico Buarque, seu parceiro de pelada. “Chico [Buarque] foi meu grande parceiro. Faz tempo que a política nos separou, mas não influenciou no carinho que tenho por ele. Perdi um amigo que amo muito. Infelizmente, porque a política deveria ser uma coisa a parte”, disse. Fagner avisa também que prepara seu próximo álbum de inéditas com a promessa de que será o melhor de sua carreira, sem modéstia: “Duvido que qualquer artista consiga ter um igual”, alertou. Ainda, de forma...

O cantor e compositor Raimundo Fagner disse, em entrevista ao Glamurana, publicada nesta terça-feira (25), lamentar a falta que sente de Chico Buarque, seu parceiro de pelada. “Chico [Buarque] foi meu grande parceiro. Faz tempo que a política nos separou, mas não influenciou no carinho que tenho por ele. Perdi um amigo que amo muito. Infelizmente, porque a política deveria ser uma coisa a parte”, disse.

Fagner avisa também que prepara seu próximo álbum de inéditas com a promessa de que será o melhor de sua carreira, sem modéstia: “Duvido que qualquer artista consiga ter um igual”, alertou. Ainda, de forma ‘modesta’, lembra a frase que Nara Leão lhe falou: ‘Fagner, você vai fazer sucesso sempre porque o público te ama. Esse carisma que você tem eu só vi em Chico [Buarque]’.

Ainda sobre política, Fagner lembra as mudanças que presenciou: “Além de meus amigos de geração serem Tasso [Jereissati] e Ciro [Gomes], entre tantos outros políticos, presenciei toda a mudança que tivemos no Ceará com o fim da gestão dos coronéis para o início de uma democracia, então me dediquei e me envolvi muito com a política, a ponto de tê-la colocado como prioridade em alguns momentos da minha carreira. Me arrependo de ter perdido tanto com isso, participando tão ativamente de tudo, me apresentando em palanques… Tomei muita bola nas costas, fui até o fundo do poço, mas aprendi. Era apenas uma ficção. Recebia muitos conselhos para me envolver menos e não ouvi. Deveria ter sido mais ‘light’.”

Veja também:  Haddad vai à Amazônia para defender a liberdade de Lula

Perguntado em quem vai votar nas próximas eleições, disse “Tenho um grande amigo na disputa, o Ciro Gomes – já contribuí muito na campanha dele no Ceará -, e também Alvaro Dias e Geraldo Alckmin, que não são amigos, mas já acompanhei de perto”, encerrou.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum