07 de janeiro de 2016, 09h28

Família Cunha possui aumento injustificado de R$ 1,8 milhão em bens, diz Receita

Relatório mostra que o crescimento patrimonial do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sua mulher, Cláudia Cruz, e sua filha Danielle Dytz da Cunha seria incompatível com a renda deles.

Relatório mostra que o crescimento patrimonial do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sua mulher, Cláudia Cruz, e sua filha Danielle Dytz da Cunha seria incompatível com a renda deles

Por Redação*

O aumento patrimonial do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sua mulher, Cláudia Cruz, e sua filha Danielle Dytz da Cunha seria incompatível com os rendimentos da família. Um relatório da Receita Federal afirma que a quantia de R$ 1,8 milhão, referente ao período entre 2011 e 2014, seria injustificada. O documento, porém, não dá detalhes do que provocou esse crescimento.

A ação da Receita está sendo feita a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) no âmbito da Operação Lava Jato, já que Cunha e seus familiares são investigados no Supremo Tribunal Federal (STF), acusados de terem mantido contas secretas no exterior com recursos desviados da Petrobras.

Caso fiquem comprovadas as irregularidades, o fato pode resultar na cobrança de impostos devidos e de multas, além de servir como base para apurações criminais. O deputado já foi denunciado ao STF por suposto recebimento de US$ 5 milhões em propina de contratos da Petrobras. Ele também é alvo de um pedido da PGR de afastamento do comando da Câmara e responde a um processo de cassação na Casa.

* Com informações da Folha de S. Paulo

Foto de capa: Reprodução/Facebook