Imprensa livre e independente
07 de janeiro de 2016, 15h45

Fechada na Turquia fábrica que fazia coletes salva-vidas falsificados para refugiados

Coletes feitos com restos de materiais permitiam a entrada de água e foram responsáveis por parte das 31 mortes de refugiados ocorridas na última terça-feira (5)

Coletes feitos com restos de materiais permitiam a entrada de água e foram responsáveis por parte das 31 mortes de refugiados ocorridas na última terça-feira (5) Por Redação Uma operação policial efetuada na província de Eslirna, na Turquia, fechou uma fábrica que produzia coletes  salva-vidas falsificados que eram vendidos, principalmente, para refugiados. De acordo com as autoridades turcas, muitas das 31 pessoas que morreram tentando atravessar a costa do país para a Grécia na última terça-feira (5) usavam estes trajes. A polícia encontrou 1.263 jalecos estampados com marcas conhecidas para simular uma qualidade maior do material Contudo, os coletes eram...

Coletes feitos com restos de materiais permitiam a entrada de água e foram responsáveis por parte das 31 mortes de refugiados ocorridas na última terça-feira (5)

Por Redação

Uma operação policial efetuada na província de Eslirna, na Turquia, fechou uma fábrica que produzia coletes  salva-vidas falsificados que eram vendidos, principalmente, para refugiados. De acordo com as autoridades turcas, muitas das 31 pessoas que morreram tentando atravessar a costa do país para a Grécia na última terça-feira (5) usavam estes trajes.

A polícia encontrou 1.263 jalecos estampados com marcas conhecidas para simular uma qualidade maior do material Contudo, os coletes eram feitos de restos de embalagem e plástico, sendo que alguns absorviam água e não auxiliavam na flutuação. Os trajes eram vendidos entre sete e dez euros, cerca de três vezes menos que o valor usual.

No local, os policiais turcos prenderam o dono da fábrica na qual trabalhavam quatro pessoas, entre eles dois sírios menores de idade.

Com informações do 20minutos. Foto: Pixabay

Veja também:  Comissão pode investigar gasto de R$ 7 milhões com Memorial da Anistia brasileiro

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum