25 de fevereiro de 2018, 19h26

Feliciano “denuncia ascensão” de Pabllo Vittar: “Foi colocado acima de nós que nascemos com sexo definido”. Vídeo

Pastor e deputado federal não poupou críticas ao artista: “Sinto que tais grupos defensores e propagadores da ideologia de gênero estarão tentando eleger representantes em cada estado desse país”

Pabllo Vittar foi alvo e críticas de Marco Feliciano: “Corremos o grave risco de termos a bancada LGBT em grandioso número” – Foto: Divulgação

O pastor e deputado federal Marco Feliciano, esbanjando conservadorismo, gravou um vídeo e publicou em sua página no Facebook, fazendo um “alerta” sobre a “ascensão” de Pabblo Vittar. “Com distanciamento cada vez maior dos valores, família, do moral e dos bons costumes, da honestidade, princípios e outros valores fundamentais, grupos de comunicação aproveitam essas mazelas para projetar suas táticas, nomes para os representar, como fizeram antes”, diz ele.

“O alerta é para a sociedade conservadora: atenção, sinto que tais grupos defensores e propagadores da ideologia de gênero estarão tentando eleger representantes em cada estado desse país. Adivinha pra quê? Para produzir leis para defender a promiscuidade, cartilhas de ensinamento de sexo para nossas crianças, cotas em universidades para transexuais transgêneros, como já acontece”.

Segundo o pastor deputado, “corremos o grave risco de termos a bancada LGBT em grandioso número”. Não é “obra do acaso” que, de uma hora para outra, “passamos a ver um homem travestido de mulher com a cara estampada em latas de refrigerante, ganhando prêmios na TV, uma atleta transgênero tendo os holofotes da mídia por ser melhor que as atletas mulheres e um lutador de MMA ganhando de mulheres no ringue”.

“Num boom que os coloca acima de nós, meros mortais, eles estão sendo alçados a uma categoria superior a nós que nascemos com sexo definido, como alertei em 2013. Eles não querem direitos, querem privilégios e os conseguiram. O Big Brother já projetou líderes assim lembra disso?”.

Ele prossegue: “Trata-se de uma imposição crescente da agenda do governo mundial da Nova Era, que tenta impor a ideologia de gênero e possui táticas e estratégias para atacar a família tradicional”.