Seja Sócio Fórum
09 de setembro de 2017, 11h26

Feminicídio: PM que matou mulher e deveria estar preso faz foto curtindo piscina

O soldado da PM do Rio Grande do Norte deveria estar preso por ter matado a namorada a pauladas depois que ela se recusou a fazer sexo com ele na frente de outro homem  Por Redação  Vem circulando nas redes sociais, nos últimos dias, fotos de Gleyson Alex de Araújo Galvão, soldado da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, tomando banho de piscina. Acontece que ele é suspeito de ter matado a ex-namorada a pauladas em 2013 e, neste momento, deveria estar preso. Na época, ele foi preso em flagrante e, mais tarde, teve a prisão convertida em preventiva,...

O soldado da PM do Rio Grande do Norte deveria estar preso por ter matado a namorada a pauladas depois que ela se recusou a fazer sexo com ele na frente de outro homem 

Por Redação 

Vem circulando nas redes sociais, nos últimos dias, fotos de Gleyson Alex de Araújo Galvão, soldado da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, tomando banho de piscina. Acontece que ele é suspeito de ter matado a ex-namorada a pauladas em 2013 e, neste momento, deveria estar preso.

Na época, ele foi preso em flagrante e, mais tarde, teve a prisão convertida em preventiva, sem prazo para a soltura. A PM diz que ele está preso e vai apurar se houve fuga. Já o advogado da vítima afirma que o policial está solto.

Galvão é acusado de matar a ex-namorada a pauladas, em um motel, depois que ela se recusou a fazer sexo com ele na frente de outro homem.

O caso do soldado foi tipificado como homicídio mas, pela natureza do crime, se enquadra perfeitamente em um crime motivado por ódio ligado ao gênero. A lei que passou a considerar o feminicídio, considerando casos como violência doméstica um agravante do homicídio, foi sancionada em 2015 pela ex-presidenta Dilma Rousseff.

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum