11 de junho de 2018, 13h20

Fernando Morais, biógrafo de Lula, discute com Moro durante depoimento

“Não faço propaganda, faço jornalismo dos meus biografados”, disse o escritor

O escritor Fernando Morais e o juiz Sergio Moro, conforme informações da coluna Radar, da Veja, trocaram farpas na manhã desta segunda (11).

Morais, que escreve uma biografia de Luiz Inácio Lula da Silva, depôs como testemunha do ex-presidente na ação penal que investiga o sítio de Atibaia.

Na ocasião, o escritor disse que o acompanha desde 2010. Afirmou ainda, de acordo com a coluna, que, nesses oito anos, Lula sempre esteve disponível a todos os seus questionamentos.

Quando Fernando Morais contou ter ouvido de Bono Vox, cantor do U2, que Lula é uma espécie de Nelson Mandela, pois tem o poder de unir todas as raças, Moro o repreendeu.

“Aqui não é lugar para propaganda”, disse o juiz, pedindo para que o diálogo não entrasse para os autos do processo.

A interrupção foi questionada pelo advogado de Lula, Cristiano Zanin:

“Mas é importante, porque faz parte da história do Lula”.

Indignado, Fernando Morais rebateu:

“Não faço propaganda, faço jornalismo dos meus biografados”.

A biografia

A biografia de Lula foi anunciada por Morais em 2011, logo após o fim do segundo mandato do político como presidente. A ideia inicial do escritor era contar a trajetória do petista até a chegada à presidência. Em 2015, no aniversário de 70 anos de Lula, o autor chegou a falar, em um vídeo em que parabenizava o amigo, que “o livro está prontinho, só falta escrever”.

Fernando Morais é amigo pessoal de Lula e é o autor de “A Ilha”, livro-reportagem sobre Cuba lançado em 1976, além das biografias “Olga”, de Olga Benário, “Chatô – O Rei do Brasil”, de Assis Chateaubriand, e “O Mago”, de Paulo Coelho.