Imprensa livre e independente
19 de junho de 2015, 11h05

Fernando Morais: Visita de senadores brasileiros à Venezuela é “provocação política”

Em programa da TeleSur, escritor brasileiro diz que parlamentares buscam aparecer na mídia e que, em sua carreira política, Aécio “nunca abriu a boca para defender direitos humanos em parte alguma do planeta”. “Ele tem que por na cabeça que perdeu as eleições, a política externa brasileira quem determina é a presidenta da República, Dilma Rousseff”, disse

Em programa da TeleSur, escritor brasileiro diz que parlamentares buscam aparecer na mídia e que, em sua carreira política, Aécio “nunca abriu a boca para defender direitos humanos em parte alguma do planeta”. “Ele tem que por na cabeça que perdeu as eleições, a política externa brasileira quem determina é a presidenta da República, Dilma Rousseff”, disse Por Redação No programa Revoluciones em Resistencia, da TeleSur, o escritor brasileiro Fernando Morais, autor de livros como Olga, Chatô – o Rei do Brasil e Corações Sujos, classificou a visita de um grupo de senadores brasileiros à Venezuela como uma “provocação política”....

Em programa da TeleSur, escritor brasileiro diz que parlamentares buscam aparecer na mídia e que, em sua carreira política, Aécio “nunca abriu a boca para defender direitos humanos em parte alguma do planeta”. “Ele tem que por na cabeça que perdeu as eleições, a política externa brasileira quem determina é a presidenta da República, Dilma Rousseff”, disse

Por Redação

No programa Revoluciones em Resistencia, da TeleSur, o escritor brasileiro Fernando Morais, autor de livros como Olga, Chatô – o Rei do Brasil e Corações Sujos, classificou a visita de um grupo de senadores brasileiros à Venezuela como uma “provocação política”.

Em resposta a uma questão feita pelo apresentador do programa da TeleSur, se é “normal” um grupo de senadores ir a outro país supostamente “defender a democracia”, Morais foi taxativo. “É importante tranquilizar os venezuelanos e sobretudo os telespectadores latino-americanos que esta provocação que foi feita hoje contra a Venezuela não é um problema venezuelano, é um problema brasileiro”, analisou.

Segundo Morais, os parlamentares estariam buscando visibilidade nos meios de comunicação brasileiros por terem perdido o protagonismo ao serem derrotados nas eleições presidenciais de 2014. Ele também demonstrou estranhamento com o súbito interesse do senador Aécio Neves (PSDB-MG) com a política externa.

Veja também:  Supremo Tribunal Federal

“Em oito anos como deputado federal, um deles como presidente da Câmara, oito anos como senador, oito anos como governador de Minas, [Aécio Neves] nunca abriu a boca para defender direitos humanos em parte alguma do planeta. Nunca falou sobre a prisão de Guantánamo, onde estão quase 900 afegãos e iraquianos, há 13 anos, sem nenhum processo judicial e submetidos a torturas brutais”, questionou.

“O que se vê é uma provocação política. Não sou do PT, do partido que está no governo, não estou aqui por uma questão partidária, mas para denunciar uma provocação diplomática de um grupo de senadores de direita contra a Venezuela”, disse. “Esta visita é uma provocação política não apenas contra a Venezuela, mas contra o governo do Brasil. Aécio disse muito claramente ‘estamos fazendo aquilo que não fez o governo brasileiro’. Ele tem que por na cabeça que perdeu as eleições, a política externa brasileira quem determina é a presidenta da República, Dilma Rousseff.”

Confira abaixo a participação de Morais na TeleSur.

Veja também:  Veja desembarca da Lava Jato e pede "punição" a Moro e Dallagnol

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum