Seja Sócio Fórum
14 de outubro de 2018, 09h18

FHC: “Bolsonaro representa tudo que não gosto”

Em 1999, quando ainda presidia o Brasil, tucano foi ameaçado por Bolsonaro. "Através do voto, você não vai mudar nada. Só vai mudar quando partirmos para uma guerra civil. E fazendo um trabalho que o regime militar não fez. Matando 30 mil, e começando por FHC”, disse, à época, o capitão da reserva.

Em entrevista a Pedro Venceslau, divulgada na edição deste domingo (14) pelo jornal O Estado de S.Paulo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro. “Do meu ponto de vista pessoal, o Bolsonaro representa tudo que não gosto. Só ouvi a voz do Bolsonaro agora. Nunca tinha ouvido”, disse o tucano. FHC chegou a ser ameaçado de morte pelo capitão da reserva em 1999, quando ainda presidia o Brasil. “Através do voto, você não vai mudar nada neste país. Nada, absolutamente nada. Você só vai mudar, infelizmente, quando nós partirmos para uma guerra civil aqui dentro....

Em entrevista a Pedro Venceslau, divulgada na edição deste domingo (14) pelo jornal O Estado de S.Paulo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro. “Do meu ponto de vista pessoal, o Bolsonaro representa tudo que não gosto. Só ouvi a voz do Bolsonaro agora. Nunca tinha ouvido”, disse o tucano.

FHC chegou a ser ameaçado de morte pelo capitão da reserva em 1999, quando ainda presidia o Brasil. “Através do voto, você não vai mudar nada neste país. Nada, absolutamente nada. Você só vai mudar, infelizmente, quando nós partirmos para uma guerra civil aqui dentro. E fazendo um trabalho que o regime militar não fez. Matando 30 mil, e começando por FHC”, disse, à época, Bolsonaro no programa Câmera Aberta, na TV Bandeirantes.

Mesmo com a imparcialidade declarada do PSDB – que levou tucanos como João Doria, candidato ao governo de São Paulo, para o colo de Bolsonaro -, FHC diz que, de sua parte, está excluída qualquer possibilidade de conversa com o militar reformado. Perguntado se vai declarar voto, respondeu: “Quero ouvir primeiro. Não sei o que vão fazer com o Brasil. O Bolsonaro pelas razões políticas está excluído. O outro eu quero ver o que vai dizer”.

Demonstrando certo ressentimento com PT – “as coisas que eles dizem a respeito do meu governo não correspondem às coisas que acho que fiz” -, o ex-presidente diz que tem relações “pessoais e cordiais” com o candidato petista, Fernando Haddad, insinuando que há possibilidade de um apoio, mesmo que velado, ao presidenciável neste segundo turno.

Perguntado se há porta aberta para Haddad, FHC responde: “eu não diria aberta, mas há uma porta. O outro não tem porta. Um tem um muro, o outro uma porta. Figura por figura, eu me dou com Haddad. Nunca vi o Bolsonaro”.

Leia a entrevista na íntegra.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum