Imprensa livre e independente
24 de junho de 2015, 15h28

Filho de Bolsonaro quer vetar feministas e LGBTs do Conselho de Mulheres do Rio

O vereador Carlos Bolsonaro (PP) apresentou uma emenda que visa modificar um parágrafo do projeto de lei que contempla as minorias no Conselho: "Mulher é mulher e ponto final!".

O vereador Carlos Bolsonaro (PP) apresentou uma emenda que visa modificar um parágrafo do projeto de lei que contempla as minorias no Conselho: “Mulher é mulher e ponto final!” Por Redação  Para o vereador Carlos Bolsonaro (PP) – filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PP) -, movimentos feministas e ligados ao público LGBT não podem participar do Conselho Municipal da Mulher do Rio de Janeiro (CODIM-RIO). Ele apresentou, na última terça-feira (23), uma emenda que pede a modificação do projeto de lei que cria o Conselho. “Mulher é mulher e ponto final! A Prefeitura do Rio propôs a criação do Conselho Municipal...

O vereador Carlos Bolsonaro (PP) apresentou uma emenda que visa modificar um parágrafo do projeto de lei que contempla as minorias no Conselho: “Mulher é mulher e ponto final!”

Por Redação 

Para o vereador Carlos Bolsonaro (PP) – filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PP) -, movimentos feministas e ligados ao público LGBT não podem participar do Conselho Municipal da Mulher do Rio de Janeiro (CODIM-RIO). Ele apresentou, na última terça-feira (23), uma emenda que pede a modificação do projeto de lei que cria o Conselho.

“Mulher é mulher e ponto final! A Prefeitura do Rio propôs a criação do Conselho Municipal da Mulher para traçar diretrizes e maneiras de defesas ao sexo feminino. Iniciativa admirável se não fosse pela indicação dos membros deste conselho: ENTIDADES DE LÉSBICAS (LGBT), FEMINISTAS, NÚCLEOS DE ESTUDO DE GÊNERO DE UNIVERSIDADES E OUTROS. Felizmente conseguimos mudar essas orientações! O prefeito Eduardo Paes falha ao tentar emplacar essa covardia com as verdadeiras mulheres trabalhadoras que teria mudado a intenção louvável do projeto!”, escreveu em sua página no Facebook.

Veja também:  Moradores de favelas do RJ descerão os morros em ato contra a violência policial

O Conselho foi criado por meio do projeto de lei de autoria do prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB) com o intuito de “discutir e encaminhar políticas públicas sob a ótica de gênero com recorte de raça e etnia, respeitando as diferentes demandas das diversas faixas de idade, a livre orientação sexual e religiosa e destinadas a garantir a igualdade de oportunidades e de direitos entre homens e mulheres, de forma a assegurar à população feminina o pleno exercício de sua cidadania, na perspectiva de sua autonomia e emancipação”.

A proposta de Bolsonaro, com a emenda, é reduzir o 2º artigo do projeto para “excluir palavras em excesso”. O artigo, no caso, trata da “implementação de políticas públicas comprometidas com a eliminação dos preconceitos e desigualdades de gênero”. Com a possível redução, a participação de coletivos feministas e LGBT, por exemplo, estariam vetadas.

O projeto já foi aprovado nas comissões da Câmara dos Vereadores e  volta à Comissão de Justiça para a sua redação final, e então seguirá para o plenário. Caso passe, deverá ser sancionado pelo prefeito.

Foto: Reprodução 

 

Veja também:  Eduardo Bolsonaro cita Adão e Eva para defender agronegócio e vira piada nas redes

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum