Cinegnose

por Wilson Ferreira

23 de fevereiro de 2017, 17h58

Fissuras no monopólio da Globo: Atletiba, blocos de rua e impeachment no Corinthians

O muro do monopólio da Rede Globo está trincando. Nos últimos dias, uma série de fissuras começaram a surgir: o histórico cancelamento do clássico Atletiba como reação ao monopólio das transmissões esportivas da emissora; o impeachment mal sucedido no Corinthians, no ápice de recorrente pauta negativa da emissora envolvendo a arena do Itaquerão; e o crescimento exponencial do carnaval de blocos, atraindo verbas publicitárias que migram do sambódromo para as ruas, ameaçando um dos principais produtos oferecidos pela emissora ao mercado. Por trás dessas fissuras estão tecnologias de convergência, mídias sociais, empreendedorismo e competição. Tudo aquilo que o telejornalismo e colunistas globais raivosamente defendem como o futuro ético para o País. Mas que, na prática, o monopólio tautista da Globo foge, assim como o diabo foge da cruz. 

O que há em comum nessas três histórias?

(a) O cancelamento do clássico “Atletiba” (Atlético Paranense X Coritiba) no domingo passado por que os clubes se negaram a jogar devido ao impedimento da transmissão do jogo ao vivo, exclusivamente pelos seus canais no Facebook e YouTube, pela Federação Paranaense.

(b) A absolvição do presidente do Corinthians Roberto de Andrade e o arquivamento do pedido de impeachment feito pelo Conselho Deliberativo do clube.

(c) O crescimento dos blocos de carnaval de rua nas grandes cidades brasileiras. Em consequência, grandes marcas estão trocando os camarotes dos sambódromos pelas ruas. Depois de 26 anos de presença cativa no sambódromo carioca, a Ambev anunciou o fim das suas marcas (Antarctica, Skol, Bhrama etc.) nos camarotes VIP. Prefere agora desconcentrar a verba publicitária, dividindo-a pelo maior número de cidades e blocos de carnaval de rua.

O leitor deve ter matado a charada: o que há em comum é que essas três histórias narram três derrotas sequenciais da Rede Globo. Três derrotas que abrem perigosas fissuras no monopólio global de comunicações.

A mais importantes fissuras são a (a) e (c) pois têm a ver com o crescimento das tecnologias de convergência e redes sociais, cujo monopólio da Globo vem, a todo custo, tentando frear ou desmerecer principalmente pelas pautas negativas – para a emissora, Internet é sinônimo de crimes, vício, piratas e pedófilos.

Assim como fez nos anos 1990 com a ameaça dos canais por assinatura: monopolizou o mercado da TV fechada (ao custo do endividamento em dólares que quase a destruiu, não fosse o financiamento do BNDES dos tempos de FHC) e evitou a sua expansão, tornando o serviço caro e ineficiente. Literalmente, sentou em cima do futuro daquela mídia – aliás, muitos telespectadores passaram a assinar a TV fechada apenas para melhorar o sinal do canal aberto da Globo.

Abordaremos essas questões mais abaixo. Vamos começar pela história (b).

Fissura 1 – derrota no impeachment corintiano

Desde que as articulações políticas de Lula levaram à construção da Arena Corinthians, a Globo vive com o clube uma relação conflituosa: seus jogos são a principal audiência na grande São Paulo, maior praça comercial do País. Conta com a segunda maior torcida do futebol brasileiro, o Corinthians torna o futebol, ao lado das telenovelas, um dos principais produtos da emissora.

Por outro lado, dentro da atual tabelinha com a Operação Lava Jato e a liderança da Globo no movimento do impeachment, as relações de Lula com a chamada “nação corintiana” tornam-se problemáticas, principalmente com a proximidade das eleições de 2018 e a necessidade de torna-lo inelegível.

Desde o ano passado, uma pauta negativa em relação ao clube foi posta em prática: queda de parede, vídeos de vazamentos, queda de placas, supostos perigos aos torcedores ou qualquer coisa negativa envolvendo a Arena Corinthians. E mais estranho: do noticiário local a pauta foi transferida para o programa esportivo Globo Esporte.

O crescendo negativo chegou com uma das delações de Emílio Odebrecht, sempre divulgada em programas esportivos: o estádio teria sido um presente para Lula, que é torcedor do time. A construtora pertence ao consórcio que administra a Arena.

TV Globo faz previsível aproximação do impeachment no Corinthians com Operação Lava Jato.

E culmina com a tentativa de impeachment do presidente Roberto de Andrade por supostas irregularidades no contrato do estacionamento com uma empresa, com todo estardalhaço no noticiário esportivo.

A absolvição de Roberto de Andrade, após todo estardalhaço do noticiário da emissora com direito a infográficos e os indefectíveis testemunhos com áudio alterado com o rosto do entrevistado à contra-luz para impedir identificação, foi a derrota para uma emissora que pretende, a todo custo, negativar todo legado de Lula no clube. 

Nesses 35 anos como jornalista, professor universitário e pesquisador de mídia, esse humilde blogueiro nunca viu um noticiário esportivo dar tanto espaço à política interna de um clube. Mas, sabemos, que Lula fez parte do Conselho Deliberativo corintiano até 2016, então…

Fissura 2 – o histórico cancelamento do Atletiba

“O Grupo Globo continua respeitando os clubes e trabalhando para a melhoria do futebol brasileiro”. Essa foi a resposta tautista (autismo + tautologia – sobre o conceito clique aqui) da emissora ao cancelamento do clássico Atletiba: uma nota da emissora sem as imagens dos times reunidos do centro do gramado aplaudindo os 20 mil torcedores presentes que gritavam protestos contra a Federação de Futebol e a Rede Globo.

A torcida aplaudiu um jogo que não aconteceu, compreendendo a importância histórica daquele ato frente ao monopólio de federações e Rede Globo.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Veja também:  Janaína Paschoal: Bolsonaro "precisa parar com tanta xaropada e focar no trabalho"

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum