Imprensa livre e independente
22 de janeiro de 2019, 06h19

Flávio Bolsonaro virou empresário depois de aumentar o patrimônio como político

A franquia da Kopenhagen, da qual Flavio é sócio, foi aberta 13 anos depois do filho de Bolsonaro se eleger deputado pela primeira vez, em 2002, quando declarou como patrimônio um Gol 1.0, no valor de R$ 25,5 mil.

Flávio Bolsonaro com o ex-assessor, apontado como laranja e elo com a milícia, Fabrício Queiroz (Foto: Reprodução)
Usado como justificativa para a evolução de seu patrimônio, o lado empresário de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) só surgiu bem depois que o político já atuava nos corredores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Segundo reportagem da Folha de S.Paulo desta terça-feira (22), Flávio só entrou na sociedade de uma loja da franquia da Kopenhagen, no Via Parque Shopping, na Barra da Tijuca, no Rio, em 7 de janeiro de 2015, quando a empresa foi aberta Leia também: Com Gol 1.0 de patrimônio em 2002, Flávio Bolsonaro comprou R$ 4,2 milhões em imóveis entre 2014 e 2017 A empresa foi...

Usado como justificativa para a evolução de seu patrimônio, o lado empresário de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) só surgiu bem depois que o político já atuava nos corredores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Segundo reportagem da Folha de S.Paulo desta terça-feira (22), Flávio só entrou na sociedade de uma loja da franquia da Kopenhagen, no Via Parque Shopping, na Barra da Tijuca, no Rio, em 7 de janeiro de 2015, quando a empresa foi aberta

Leia também: Com Gol 1.0 de patrimônio em 2002, Flávio Bolsonaro comprou R$ 4,2 milhões em imóveis entre 2014 e 2017

A empresa foi aberta 13 anos depois do filho de Bolsonaro se eleger deputado pela primeira vez, em 2002, quando declarou como patrimônio um Gol 1.0, no valor de R$ 25,5 mil. Na última declaração de bens, de 2018, Flávio disse ter R$ 1,74 milhão —considerando o fato de que ele diz ser dono de apenas 50% dos imóveis, já que é casado em regime de separação de bens.

Veja também:  Política econômica de Bolsonaro-Guedes destruirá o Brasil, por Gleisi Hoffmann

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Em entrevista à TV Record no domingo (20), o filho do presidente Jair Bolsonaro afirmou que tentam de “forma baixa” insinuar que a origem de seu dinheiro tem a ver com ex-assessores de seu gabinete.

“Não tem. Explico mais uma vez. Sou empresário, o que ganho na minha empresa é muito mais do que como deputado. Não vivo só do salário de deputado”, afirmou o senador eleito.

Segundo a assessoria da Kopenhagen, “o retorno do investimento aplicado ocorre de dois a três anos após o início das atividades”. Ou seja, no caso de Flávio, só começaria a ocorrer em 2017 ou 2018. Pessoas familiarizadas com esse tipo de franquia que o faturamento bruto (não descontados os impostos e outras despesas) é de cerca de R$ 60 mil ao mês. A Kopenhagen não divulga faturamento de seus franqueados.

Leia a reportagem na íntegra.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Veja também:  Governo autoriza novo aumento dos combustíveis e gasolina já passa dos R$ 5 em dois estados

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum