07 de dezembro de 2018, 09h35

Folha abre guerra contra Bolsonaro e destaca na capa caso de assessor do filho

Globo e Estadão não dão destaque ao assunto

Foto: Folha/Reprodução

O jornal Folha de S.Paulo abriu em manchete de capa, na sua edição desta sexta-feira (7), o caso do policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz, assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro, citado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), como tendo movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em suas contas bancárias num período de doze meses.

Queiroz trabalhou até outubro com Flávio e, ao menos por enquanto, será nomeado no gabinete do senador eleito, após a posse. O filho do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) empregou em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro a mulher e as duas filhas de seu ex-assessor e policial militar.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Curiosamente, o jornal O Estado de S.Paulo, primeiro a divulgar a informação, nesta quinta-feira (6), através da coluna de Fausto Macedo, deu apenas uma pequena chamada em sua capa. Os destaques do Estadão foram a nomeação da ministra Damares Alves e chamada sobre a delação de Palocci.

Foto: Reprodução/Estadão

O jornal O Globo não deu uma linha sequer sobre o assunto em sua capa, apesar de tratar do caso internamente.

A matéria da Folha não traz nenhuma novidade sobre o caso, mas detalha que as informações são do Estadão e afirma ainda que uma das transações de Queiroz citadas no relatório do Coaf é um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

A Folha lembra ainda que o Ministério Público Federal, responsável pela investigação, divulgou nota afirmando que a documentação anexada a essa etapa da Lava Jato, batizada de Furna da Onça, inclui um relatório do Coaf sobre movimentações atípicas de profissionais da Assembleia Legislativa do Rio.

Ainda de acordo com o jornal, a operação A Furna da Onça foi deflagrada há um mês e prendeu sete deputados da Assembleia do Rio, além de expedir novos mandados de prisão a outros três que já estavam detidos. Eles são suspeitos de receber mesada para apoiar o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, condenado por corrupção.

Flávio Bolsonaro não estava entre os alvos da operação.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais