ASSISTA
24 de Março de 2013, 21h33

FSM chega à Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A partir desta terça-feira (26) cerca de 50 mil pessoas são esperadas no Fórum Social Mundial que acontece em Túnis

A partir desta terça-feira (26) cerca de 50 mil pessoas são esperadas no Fórum Social Mundial que acontece em Túnis

Por Adriana Delorenzo, de Túnis

Cerca de 50 mil pessoas são esperadas no FSM em Túnis (Foto: Adriana Delorenzo)

A cidade de Túnis, capital da Tunísia, recebe a partir desta terça-feira (26), o Fórum Social Mundial 2013. O evento, em sua 12ª edição, acontece até o próximo sábado (30), e, de acordo com os organizadores, deve contar com a participação de cerca de 50 mil pessoas, principalmente de países vizinhos, da região do Magreb, e ativistas que participaram da Primavera Árabe.

Assim como nos outros FSM, serão cinco dias de diversas atividades propostas por entidades da sociedade civil e movimentos sociais de todas as partes do mundo. Em árabe, francês, inglês e espanhol, os debates previstos variam entre causas femistas, ambientais, anti-capitalistas, sindicais, pró-Palestina, democráticas, entre outras. Segundo Chico Whitaker, são 2700 organizações e 1500 atividades auto-gestionadas no evento de Tunis.

“Este Fórum constitui uma verdadeira consagração das lutas dos movimentos sociais e da sociedade civil tunisiana, que são os verdadeiros atores da Revolução de 17 de dezembro a 14 de janeiro [de 2011]”, diz o Comitê de Organização do Fórum Social Mundial da Tunísia.

O credenciamento dos participantes ocorre na Avenida Bourguiba, uma das principais de Túnis, que termina justamente na praça 14 de janeiro de 2011, data em que o ex-presidente Ben Ali teve que deixar o país após os protestos que tomaram as ruas. Ben Ali estava à frente do governo há 23 anos. A revolução tunisiana contagiou outros países árabes que também viviam sob regimes ditatoriais.

Hoje, a Tunísia é presidida por Moncef Ben Mohamed Bedoui-Marzouki. E a população busca consolidar a recém-conquistada democracia, ao mesmo tempo em que enfrenta dificuldades econômicas. A taxa de desemprego no país é de 17%, sendo que entre os jovens passa de 30%, segundo a The Economist.

Em entrevista à Fórum de março, a diretora do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e membro do Conselho Internacional do FSM, Moema Miranda, afirma que o evento “está ganhando, dia a dia, mais sentido político na Tunísia e em toda a região”. “Há uma rede de organizações da sociedade civil que está participando ativamente da construção do FSM. E, na própria Tunísia, mesmo sendo um país com uma democracia recente, tem uma participação ativa da juventude, de organização de mulheres, de direitos humanos, uma fortíssima participação de sindicatos”, disse.

Nas ruas de Túnis, cartazes do FSM divulgam o evento, que acontece no campus da Universidade de El Manar. O tema escolhido para este ano é “dignidade”.

PROGRAMA DO FSM2013 em Túnis/Tunísia
26/03/2013 – Dia da Abertura
Assembleia das mulheres
Marcha de abertura
Show de abertura

27/03/2013 – Dia da “Primavera Árabe”
Atividades sobre as mobilizações na região

28 e 29/03/2013 (Manhã) – Dias de Atividades Autogestionadas
29(tarde) e 30/03/2013 – Plenárias de Convergências

30/03/2013 – Atividade de Encerramento
Assembleia final
Marcha de encerramento
Show de encerramento

De 24 a 30/03/ 2013
III Fórum Mundial de Mídias Livres

 

Leia também:

Liberdade de expressão abre caminho na Tunísia

Fórum Social Mundial se mobiliza em solidariedade à Tunísia

‘Dignidade’ por outro mundo possível em Túnis