12 de julho de 2018, 10h38

Futura ministra de Obrador propõe descriminalizar maconha para pacificar o México

Olga Sanchez disse que Lopez Obrador deve refletir sobre a proposta, que embora já tenha avançado a ideia, o “próximo presidente ainda não está fechado com ela”

Indicada como ministra do Interior do futuro gabinete de Andres Manuel Lopez Obrador, presidente eleito do México, Olga Sanchez Cordero, propõe descriminalizar o uso recreativo da maconha e da papoula para “pacificar” o país, que sofre com altos índices de criminalidade e violência em decorrência das drogas.

Perguntada se ela pretende legalizar o plantio, colheita, venda e uso recreativo da maconha ela respondeu: “Sim, absolutamente, eu vou tomar providências para descriminalizar a maconha”.

A ex-ministra do Supremo Tribunal de Justiça do México argumentou que, com esta proposta pretende “encontrar um caminho de paz”, para acabar com a guerra contra as drogas, que já deixou mais de 160 mil mortos.

“O Canadá já descriminalizou e a maioria dos estados americanos também. O que estamos esperando? Será que continuaremos a ser mortos enquanto em toda a América do Norte a maconha é descriminalizada?”, perguntou.

Sanchez argumentou que a descriminalização da maconha e da papoula deve ser acompanhada de “programas de prevenção e de reabilitação para viciados e, principalmente, da punição de forma muito significativa daqueles que fornecem maconha a menores”.

Olga Sanchez disse que Lopez Obrador deve refletir sobre a proposta, que embora já tenho avançado a ideia, o “próximo presidente ainda não está fechado com ela”.

Com informações do Diário de Yucatán