ASSISTA
24 de novembro de 2017, 12h52

Gestão Doria joga fora três toneladas de remédios vencidos

Os remédios foram doados por laboratórios que receberam isenção fiscal da Prefeitura de São Paulo, comandada por João Doria (PSDB)

Os remédios foram doados por laboratórios que receberam isenção fiscal da Prefeitura de São Paulo, comandada por João Doria (PSDB)

Da Brasil 247

Beneficiados com isenções fiscais e com o custo que não tiveram para o descarte, laboratórios doaram à Prefeitura de São Paulo, comandada por João Doria (PSDB), 165 tipos de medicamentos que estavam perto da data de vencer e não podiam mais ser comercializados.

rádio CBN obteve com exclusividade a lista de medicamentos que precisaram ser descartados nos meses de junho, julho e agosto, entre eles antidepressivos, antipsicóticos, diuréticos e antibióticos.

Foram descartados nada menos que 35% do total de medicamentos doados, o que representa quase três toneladas, quase cinco vezes mais do que o descartado ao longo de todo o ano passado.

Como de costume, Doria colocou a culpa na gestão anterior, de Fernando Haddad (PT). Segundo ele, o crescimento no descarte se deve à escassez de medicamentos do governo petista, informação que é desmentida pelo site Aqui Tem Remédio, da própria prefeitura.

O prefeito admitiu que, se os remédios tivessem sido comprados, em vez de doados, os critérios teriam sido mais “precisos”. “Não é bom [o descarte], mesmo que tenha sido produto doado para a Prefeitura”.

A doação em medicamentos prometida por Doria em fevereiro foi de R$ 120 milhões, mas apenas 10% chegaram às unidades de saúde, ou seja, para os paulistanos. A estimativa é que a Prefeitura tenha gasto R$ 60 mil com o descarte dos medicamentos, custo que deveria ser das empresas.