Imprensa livre e independente
05 de novembro de 2018, 12h34

Gilberto Gil sobre os que pedem a volta da ditadura: “Falta de informação”

“Eu vivi diretamente e fui afetado pelo regime de exceção ou o nome que se queira dar à ditadura, um período difícil, com recuo da vida republicana e democrática no Brasil”, disse

Gilberto Gil. Reprodução Youtube
O cantor e compositor Gilberto Gil, de 76 anos, ao responder, em entrevista à revista Veja, publicada nesta segunda-feira (5), sobre as pessoas que pedem hoje a volta da ditadura no Brasil, disse: “Eu diria que é um pouco de falta de conhecimento, falta de informação sobre o significado daquilo que aconteceu”. Gil disse ainda que considera a atitude dos que negam a ditadura e defendem a sua volta “um distanciamento que essas pessoas têm do significado do que foram aqueles tempos. Eu vivi diretamente e fui afetado pelo regime de exceção ou o nome que se queira dar à ditadura,...

O cantor e compositor Gilberto Gil, de 76 anos, ao responder, em entrevista à revista Veja, publicada nesta segunda-feira (5), sobre as pessoas que pedem hoje a volta da ditadura no Brasil, disse: “Eu diria que é um pouco de falta de conhecimento, falta de informação sobre o significado daquilo que aconteceu”.

Gil disse ainda que considera a atitude dos que negam a ditadura e defendem a sua volta “um distanciamento que essas pessoas têm do significado do que foram aqueles tempos. Eu vivi diretamente e fui afetado pelo regime de exceção ou o nome que se queira dar à ditadura, um período difícil, com recuo da vida republicana e democrática no Brasil”, disse.

O compositor alertou ainda para a desinformação: “As pessoas que hoje em dia se comprazem com essa expectativa de uma volta daquele sistema o fazem sem muito interesse por saber o que significa um regime de exceção, o que significa a derrubada dos princípios democráticos, da liberdade, da manutenção do desenvolvimento das individualidades em função da vida moderna. Eu diria que é um pouco de falta de conhecimento, falta de informação sobre o significado daquilo que aconteceu. Acho que é isso que leva as pessoas a se comprazerem com essa facilidade de achar que uma ditadura ou novo regime de exceção pode ser benéfico para o país”, concluiu.

Veja também:  "Quem manda sou eu", diz Bolsonaro após Marcha para Jesus

 

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum